• Sandra Carvalho

12 países que não vivem sem os imigrantes

Em vários países do Oriente Médio os imigrantes são mais numerosos que os nativos.


Dubai: nos emirados os imigrantes chegam a 87,9% da população | Foto: cc0 Igor Osyannykov/Pixabay

Sem imigração, muitos países hoje em dia entrariam em parafuso. No Oriente médico, três dos países árabes mais poderosos não teriam uma economia viável. Nos Emirados Árabes Unidos (EAU), Catar e Kuwait os imigrantes são mais de 70% da população.


Os números são do relatório International Migration 2019, da ONU, que estima o número global de imigrantes em 272 milhões, ou seja, 3,5% da população mundial.


Os imigrantes são absolutamente vitais também bem longe do Oriente Médio - atraídos pela jogatina e as oportunidades de Macau, China, chegam lá a 62,4% da população local. Em Luxemburgo, Europa, com seu altíssimo nível de vida, os imigrantes se aproximam de metade da população.


Isso não quer dizer que os países com a maior proporção de imigrantes estão de braços abertos para receber qualquer um. Praticamente todos fazem exigências difíceis de cumprir.


Veja mais: Imigrantes: a busca de uma vida feliz longe de casa


A dificuldade pode estar no nível de especialização técnica exigido para quem busca emprego. Ou no volume de investimentos cobrado das pessoas que querem montar um negócio.


Para os imigrantes menos qualificados e menos endinheirados, é essencial a disposição de encarar trabalhos humildes que a população nativa jamais cogita em fazer.


Entre os países com maior proporção de imigrantes, a Arábia Saudita é quem atraiu mais gente de fora: 5,2 milhões de pessoas, ou 38,3% da sua população.


Depois vem a Austrália, com 4,4 milhões de imigrantes, 30% da população, seguida de Hong Kong, com 2,7 milhões de imigrantes, 39,6% da população.



#ArábiaSaudita #Austrália #Catar #EAU #HongKong #Imigrantes #Kuwait #ONU #População #Rankings