• Sandra Carvalho

19,1 milhões passam fome no Brasil, estima pesquisa

Segundo a Rede Penssan, 9% dos brasileiros sentem falta de comida na mesa.


Cartaz contra fome na Paulista
Distribuição de marmitas em Curitiba: a nova cara da fome | Foto: Jade Azevedo/Fotos Públicas

Em dois anos, o número de pessoas que passam fome no Brasil saltou de 10,3 milhões para 19,1 milhões. É como se a Grande São Paulo inteira não tivesse o suficiente para comer em sua rotina.


A estimativa é da Rede Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar, a Rede Penssan. É uma volta aos patamares de 2004, quando as políticas públicas de combate à pobreza começaram a mostrar bons resultados.


A #Penssan baseia suas projeções no Inquérito Nacional de Insegurança Alimentar realizado em 2.180 domicílios distribuídos pelas cinco regiões do país entre 5 e 24 de dezembro de 2020.


Se a fome atinge 19,1 milhões, a insegurança alimentar leve e moderada pega muito mais gente, chegando a outros 97,7 milhões de pessoas, conforme os dados da pesquisa.


Em segurança alimentar mesmo, só estão 44,8% da população. Confira no gráfico. Fome, na pesquisa, significa insegurança alimentar grave.


gráfico da fome
Gráfico: Penssan

É pior no Norte e no Nordeste. No Norte, o índice de insegurança alimentar, em suas formas leve, moderada e grave, é de 60%. No Nordeste, 70%.


Nos domicílios chefiados por mulheres a situação também piora. Em 11,1% deles, há fome. Nas casas chefiadas por homens, o índice baixa a 7,7%.


Entre pretos e pardos também faltam mais alimentos. A fome frequenta 10,7% dos seus domicílios, índice que cai a 7,5% entre brancos.


A fome dispara nos lares com pouca ou nenhuma escolaridade, chegando a 14,7%. Já nas casas chefiadas por pessoas do ensino médio em diante, despenca a 4,7%.


Acompanhe a evolução da fome, a insegurança alimentar grave, de 2004 a 2020. É possível fazer download da pesquisa completa.


Mapa da evolução da fome no Brasil
Mapas: Penssan

Veja mais: Calçadas de SP: 65 milhões de m2 de desigualdade