• Sandra Carvalho

3 armas práticas contra o novo coronavírus

Plástico adesivo, máscara reutilizável e tecido antimicrobiano desativam o SARS-CoV-2.


Plástico adesivo da Nanox: eficaz contra o vírus por até três meses | Foto: Nanox

A startup Nanox, de São Carlos, no interior de São Paulo, bolou três maneiras de aniquilar o novo coronavírus no dia-a-dia. Uma delas é um plástico adesivo, outra é uma máscara reutilizável e a terceira é um tecido antimicrobiano.


Nos três casos, estão por trás micropartículas de prata e sílica com poder antimicrobiano que inativam o vírus por contato.


Segundo a Nanox, o plástico adesivo é capaz de desativar 99,8 % do SARS-CoV-2 em dois minutos, com suas micropartículas de prata e sílica. Pode ser usado para revestir botões de elevadores, telas sensíveis ao toque, maçanetas, corrimãos, carrinhos de supermercado...


Ele é feito de polietileno e está sendo produzido pela indústria Promaflex. As micropartículas de prata e sílica são incorporadas à massa do plástico, o que garante uma eficácia bastante prolongada - até três meses, quando precisa ser trocado.


O plástico adesivo foi testado no laboratório de biossegurança de nível 3 do Instituto de Ciências Biomédicas da USP.


Máscara Oto: micropartículas de prata e sílica e dois filtros | Foto: Nanox

A máscara reutilizável contra o novo coronavírus é confeccionada num polímero flexível, parecido com borracha, e foi desenvolvida pela Nanox junto com a indústria de plástico Elka.


A máscara tem micropartículas de prata e sílica e dois filtros descartáveis, e pode ser lavada com água e sabão, sem mais complicações. É vendida com a marca Oto, certificada pela Anvisa, com a promessa de eliminar 99% do SARS-CoV-2.


A Oto tem dois laudos técnicos: um da empresa Qasar Bio e outro do Instituto Falcon Bauer.


O primeiro tecido contra o novo coronavírus desenvolvido pela Nanox foi feito com uma mistura de poliéster e de algodão com as partículas de prata e sílica na superfície. Mas a tecnologia pode ser aplicada a tecidos com outros tipos de matéria-prima.


De acordo com a Nanox, a solucão também dá cabo do vírus em minutos, como o plástico adesivo.


Hoje empresas como a Santista usam as micropartículas de prata e sílica da Nanox em seus produtos. Elas são impregnadas nos tecidos como um revestimento, e agem também contra fungos e bactérias, além de desativar vírus.


Veja mais: Vitamina D, um escudo contra o novo coronavírus