• Sandra Carvalho

8 coisas sobre Stewart Adams, inventor do ibuprofeno

O pai de um dos mais populares analgésicos do mundo usava a si mesmo como cobaia.


Stewart à esquerda, com seus colegas da Boots, fazendo uma experiência em laboratório | Foto: Boots

A vida do inglês Steward Adams foi marcada por um fracasso e por um sucesso extraordinário no mundo dos remédios.


O fracasso: ele perseguiu por boa parte de sua vida a cura da artrite reumatóide, mas não encontrou. O sucesso: a criação do ibuprofeno, uma das drogas anti-inflamatórias não esteroides mais populares no mundo.


O ibuprofeno hoje é usado para tratar de febre a dor de cabeça, de artrite a resfriados, de cólicas menstruais a dor de dente. Se não é a cura sonhada da artrite reumatoide, pelo menos é um tratamento eficaz da doença.


Por ser não esteroide, o ibuprofeno é menos tóxico que muitos anti-inflamatórios potentes. Ainda assim, tem alguns efeitos colaterais, principalmente se tomado por muito tempo. Esses efeitos podem ir de náuseas a um risco maior de ataques cardíacos, passando por abortos.


O ibuprofeno é mais conhecido no Brasil pelas marcas Advil, Buscofem, Alivium, Dalsy, Artril e Motrim.


Veja as 8 coisas que você precisa saber sobre Steward Adams:


1 - Adams nasceu em 16 de abril de 1923 num pequeno povoado de Northamptonshire, na Inglaterra, filho de um motorista de trem.


2 - Começou a trabalhar na rede de farmácias britânica Boots ainda na adolescência, como aprendiz, e passou sua vida profissional inteira na empresa, até se aposentar, com 14 patentes no currículo.


3 - Ele se formou como farmacêutico na Universidade de Nottingham, com bolsa da Boots, e fez o doutorado em farmacologia na Universidade de Leeds.


4 - Depois de tentar descobrir a cura para a artrite reumatoide, ele se conformou em inventar um analgésico com menos efeitos colaterais que a aspirina, o mais popular dos analgésicos na época.


5 - Adams trabalhou com o químico John Nicholson para testar mais de 600 compostos químicos durante 10 anos para chegar ao ibuprofeno. Frequentemente testava as drogas em si mesmo.


6- A mais famosa prova de ibuprofeno com Adams aconteceu em Moscou, quando ele acordou de ressaca, com dor de cabeça, depois de uma noite em que virou muita vodca. Como precisava fazer uma apresentação, tomou 600 mg de ibuprofeno e... voilá! A dor sumiu.

7-Adams testou quatro drogas em testes clínicos que não deram certo antes de acertar a mão com o ácido isobutilpropanoicofenólico, o ibuprofeno, em 1961. A droga é considerada um dos remédios essenciais pela Organização Mundial da Saúde, a OMS.


8 - Ele morreu em 30 de janeiro de 2019, aos 95 anos, sem nunca ter ganhado um centavo com sua invenção. Seu nome e o de Nicholson constam da patente do ibuprofeno, mas nem ele nem seu parceiro receberam royalties pela invenção.


Veja mais: Katherine Johnson, matemática desbravadora da NASA (1918-2020)


#AntiInflamtórios #Cientistas #Dores #Remédios #UniversidadedeNottingham