• Sandra Carvalho

Plasticolândia, vulgo Terra

O consumo desvairado de plástico provocou um desastre ecológico sem igual.



Tente imaginar por dois segundos 8,3 bilhões de toneladas métricas de plástico. É isso o que humanidade produziu de plástico do início dos anos 50 até 2015.


Tanto plástico significa um desastre ecológico de alto impacto. Das 8,3 bilhões de toneladas produzidas, 6,3 bilhões já viraram lixo. Apenas 9% foi reciclado, e 12% foi incinerado. 79% se acumulou em aterros sanitários, os lixões, ou se espalhou pelo meio ambiente.


O diagnóstico é de um time de cientistas das universidades da Geórgia (UGA) e Califórnia (UC) em Santa Bárbara e a Associação de Educação do Mar. Seu estudo foi publicado hoje no jornal Science Advances.


Se a tendência prosseguir, eles advertiram, 12 bilhões de toneladas de plástico estarão nos depósitos de lixo ou poluindo o meio ambiente por volta de 2.050.


"A maioria dos plásticos não se biodegra em nenhum sentido significativo, então os detritos de plástico que os humanos geraram estarão conosco por centenas ou mesmo milhares de anos", disse Jenna Jambeck, coautora do estudo, professora de engenharia na Universidade da Geórgia.


"Nossas estimativas sublinham a necessidade de pensar criticamente sobre os materiais que usamos e nossas práticas na gestão do lixo", afirmou num comunicado da universidade.


Uso efêmero


Iniciada no começo da década de 50, a produção de plástico só ficou atrás das matérias-primas da indústria da construção, como aço e cimento, observa o estudo.


Mas se construções são usadas por décadas, o uso do plástico é efêmero. Seu principal mercado são as embalagens, que são logo descartadas.


"Metade de todos os plásticos se tornam lixo depois de quatro ou menos anos de uso", observou Roland Geyer, principal autor do estudo, da Universidade de Califórnia em Santa Bárbara, no mesmo comunicado.


A produção de plástico vem num crescendo desde o pós-guerra. Metade das 8,3 bilhões de toneladas produzidas até 2015 saíram das fábricas nos últimos 13 anos estudados, de acordo com a pesquisa.


Os oceanos pagam um preço alto pelos detritos produzidos em terra. O estudo afirma que entre 4 e 12 milhões de toneladas de lixo plástico entraram no ambiente marinho apenas em 2.010.


Qual é o ponto de medir a produção de plástico? A ideia dos cientistas é permitir uma gestão sustentável do material.


"Dizendo de uma maneira simples, você não pode administrar o que você não mede", argumentou Geyer. "As discussões de políticas sobre o plástico ficarão mais bem informadas e baseadas em fatos agora que temos esses números."


#Lixo #Oceanos #Plástico #Poluição #PoluiçãodaÁgua #UCSB #UGA