• Sandra Carvalho

Acha que respirar a poluição da hora do rush faz mal? É pior do que você pensa

A poluição medida dentro dos carros é pior do que a registrada fora.


Atlanta: poluição dobrada dentro dos carros | Foto: cco Tayshawn Royster

Cientistas examinaram o ar que os passageiros dos carros respiram na hora do rush em Atlanta, na Geórgia, nos Estados Unidos. Resultado: a poluição do ar respirado é o dobro do que se pensava.


Para medir o ar respirado pelas pessoas que andam de carro na hora do rush pela manhã, os cientistas puseram dispositivos de medição dentro do carro delas, em vez de confiar nos sensores de poluição externos.


Os dispositivos puxaram o ar num ritmo semelhante ao dos pulmões humanos. Foram colocados nos lugares dos passageiros em mais de 30 diferentes carros em mais de 60 horas de tráfego.


As partículas de poluição detectadas dentro dos veículos foram duas vezes mais numerosas que as registradas externamente. Elas também tinham o dobro dos compenentes químicos que causam stress oxidativo.


Que importância tem esse stress oxidativo? Ele costuma ser associado ao desenvolvimento de vários problemas respiratórios, neurodegenerativos, do coração e até câncer, de acordo com comunicado da Universidade de Duke.


De Asperger a ataques do coração


A lista das doenças associadas a esse stress é longa, conforme o estudo - inclui a síndrome de Asperger, Parkinson, Alzheimer, aterosclerose, insuficiência cardíaca, ataques do coração, autismo, doença falciforme, desordem de falta de atenção e hiperatividade, síndrome da fadiga crônica e depressão.


O estudo foi publicado no jornal Atmospheric Environment no dia 27 de junho.


"Se esses componentes químicos são tão ruins para as pessoas como muitos pesquisadores acreditam, elas deveriam repensar seriamente seus hábitos de dirigir", disse Michael Bergin, professor de Engenharia Civil e do Meio Ambiente da Universidade Duke, um dos autores do estudo, no comunicado da escola.


Pesquisadores das universidades Duke e Emory e do Instituto de Tecnologia da Geórgia fizeram o estudo.


"No caso de Atlanta, a má qualidade do ar se deve ao fato de 6 milhões de pessoas viverem na área metropolitana, e maioria delas praticamente não ter escolha a não ser entrar num carro para ir ao trabalho ou à escola", observou Bergin.


"Transporte centrado no carro não escala bem em cidades deste tamanho, e é um exemplo a mais de como o tráfego afeta negativamente a saúde", complementou.


#Alzheimer #Atlanta #Carros #Coração #Depressão #Doenças #Duke #PoluiçãodoAr