• Sandra Carvalho

Amazônia produz 8% do metano do planeta

A porção brasileira da floresta se encarrega de 5% das emissões mundiais desse gás.


Área alagada da Amazônia
Áreas alagadas da Amazônia emitem 75% do metano liberado | Foto: Fabio Colombini/Pesquisa Fapesp

A produção de metano (CH4) na Amazônia representou 8% das emissões globais desse gás de efeito estufa, o segundo mais importante depois do dióxido de carbono (CO2), e se manteve em patamares estáveis entre 2010 e 2018.


Cerca de três quartos do metano liberado na região, que corta nove países e concentra 60% de sua área no Brasil, foram produzidos por um processo natural, em razão da decomposição de biomassa, essencialmente árvores e vegetação, em áreas parcial ou totalmente alagadas durante o ano.


O restante foi emitido como subproduto de duas atividades promovidas pela ocupação humana: as queimadas (16% do total) e a criação de gado (11%).


As estimativas constam de um artigo publicado em dezembro de 2021 no periódico científico Communications Earth & Environment.


“A Amazônia é uma importante fonte global de metano, mas nossos dados indicam que a região não contribuiu significativamente para a elevação recente das emissões desse gás”, pondera a bióloga Luana Santamaria Basso, que faz estágio de pós-doutorado no Laboratório de Gases de Efeito Estufa (Lagee) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), principal autora do estudo.


Entre 2010 e 2018, a Amazônia emitiu anualmente cerca de 46 milhões de toneladas de metano, de acordo com o artigo.


Se cerca de 60% das emissões de metano da Amazônia forem creditadas ao Brasil, de acordo com a participação do território do país na extensão total do bioma sul-americano, a porção nacional da floresta tropical libera anualmente por volta de 29 milhões de toneladas do gás. Esse número equivale a 5% de todas as emissões de metano do planeta. ✔︎


Esse texto, de Marcos Pivetta, foi publicado originalmente pela Pesquisa Fapesp com uma licença Creative Commons. Leia a versão integral aqui.

Veja mais: Tá saindo um filé de Wagyu do laboratório?