• Sandra Carvalho

Dormindo mais de 6 horas e meia por noite? Cuidado!

Da mesma forma que dormir de menos, dormir demais prejudica o cérebro.


Dormindo
Sono: excessos ligados ao desempenho cognitivo | Foto: cc0 Ketut Subiyanto/Pexels

Os benefícios de uma noite bem dormida estão mais do que comprovados. O sono ajuda nossa cabeça a funcionar bem e recompõe nosso corpo, evitando várias doenças - de problemas cardíacos a diabetes.


A falta de sono está muito associada ao declínio cognitivo e a demência, inclusive a doença de Alzheimer, e ninguém questiona isso. Em geral, a orientação é dormir entre 7 e 8 horas por noite para ter boa saúde.


Mas agora pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington (#WUSM) levantam um outro problema: dormir demais, da mesma forma que dormir de menos, também faz mal para o cérebro. E dormir demais, segundo eles, é dormir mais de 6 horas e meia por noite.


Examinando 100 pessoas idosas, entre os 75 e 80 anos, eles chegaram à conclusão que dormir mais do que 6 horas e meia por noite compromete o desempenho cognitivo, e pode ter ligação com Alzheimer.


Usando encefalografia (#EEG), eles monitoraram o sono dos idosos entre quatro a seis noites. Segundo os resultados desses testes, quem dorme menos de 4 horas e meia e mais de 6 horas e meia, e dorme mal, corre mais risco de declínio cognitivo.


O estudo indicou que a qualidade do sono é muito importante para manter o cérebro saudável, particularmente o sono de ondas lentas.


O estudo foi publicado no periódico Brain.


Veja mais: Dormir entre 10 e 11 horas da noite faz bem ao coração