• Sandra Carvalho

Animais ameaçados: a vida sob risco

Tartaruga-de-pente, toninha, tatu-bola - o futuro dessas espécies não tem qualquer garantia.


colagem de fotos: tartaruga, agrotóxicos e Tóquio
Tartaruga-de-pente, pesticidas e multidão em Tóquio: convívio difícil | Fotos: divulgação: Shutterstock/IPBES

Com mais de 7 bilhões de Homo sapiens espalhados pelo planeta, o meio ambiente está sob enorme pressão. Cerca de 75% dos ecossistemas em terra e 66% dos marítimos foram alterados demais pelo uso humano.


Pense nas plantações para alimentar essa população gigantesca, na pesca que explora os oceanos e rios, nas operações das mineradoras, na vida nas grandes cidades.


O impacto na natureza é tal que aproximadamente 500 mil espécies de animais que vivem em terra estão ameaçadas de extinção.


As razões mais diretas: destruição de seus habitats, caça predatória, competição com espécies invasivas introduzidas pelos homens, poluição, aquecimento global...


Os números são de um relatório de maio de 2019 do #IPBES, órgão que coordena estudos de biodiversidade e ecossistemas para a ONU.


Veja mais: Tamanho é documento, pelo menos em ameaça de extinção

Para preservar sua existência, os animais precisam fazer basicamente duas coisas: sobreviver e se reproduzir.


Nem sempre é possível: a extinção de espécies animais é algo comum na natureza, ao longo do tempo, quando atinge uma espécie ou outra. As causas variam de acordo com a espécie e podem ser bastante complexas.


Extinções em massa são raras, no entanto - só cinco ocorreram até agora no planeta em 500 milhões de anos. O que chama a atenção atualmente é a escala monumental de animais ameaçados devido à ação humana.


No Brasil, estão ameaçadas espécies como a ararinha-azul, o rato-candango, a tartaruga-de-pente, a toninha, o guigó-da-caatinga, o tatu-bola...


A extinção dos milhares de animais em perigo pode ser evitada, desde que o modo de vida atual da humanidade passe a ser bem mais sustentável.


Caso contrário, a perda de animais será desastrosa. A Lista Vermelha, principal referência das espécies ameaçadas, estima que atualmente vivam sob risco de extinção 40% dos anfíbios, 31% dos tubarões e arraias, 25% dos mamíferos e 14% dos pássaros. ✔︎


Veja mais: Chitas marcham para extinção com tráfico de filhotes