• Sandra Carvalho

Arroz tem muitos pais, mas só duas mães

É o que dizem cientistas da Austrália, com base no genótipo de milhares de tipos de arroz.


Terraços de arroz na Indonésia | Foto: cc0 Rio Lecatompessy/Unsplash

Para mais de metade da humanidade, o arroz é o principal alimento - devoramos aproximadamente 500 milhões de toneladas do cereal por ano. São milhares de tipos de arroz - mas, surpreendentemente, todas derivadas de apenas duas linhagens maternas da planta.


Cientistas da Universidade de Queensland (UQ) , na Austrália, estudaram mais de 3.000 genótipos de arroz, identificaram apenas dois genomas maternos em todos eles e traçaram uma história de 7 mil anos de domesticação do grão.


Segundo o estudo, há cerca de 1 milhão de anos plantas selvagens virgens divergiram, se diferenciando em duas variedades em arroz. Os humanos domesticaram as duas variedades, que foram se cruzando com tipos diferentes de arroz selvagem na Ásia.


"O arroz selvagem polinizou o arroz domesticado plantado nas proximidades e a semente da variedade domesticada incorporou a genética das variedades selvagens locais", explicou o professor Robert Hering, da UQ, que liderou a pesquisa.


Daí, os inúmeros "pais" do arroz. A linhagem materna foi preservada por meio da semente.


O estudo foi publicado no periódico científico BMC Plant Biology.


Veja mais: O arroz esconde um risco tóxico: o arsênio


#Arroz #UQ #Genoma