• Sandra Carvalho

Artrópodes: um fóssil de cinco olhos desfaz um enigma

O fóssil, descoberto na China, joga uma nova luz na origem dos artrópodes.


Kylinxia
Fóssil de Kylinxia, de 520 milhões de anos atrás | Imagem: Zeng Han

Os artrópodes são mais onipresentes que qualquer outro animal: representam quase 80% das espécies vivas hoje. Circulam pela Terra muito antes de nós: há 520 milhões de anos.


Apesar de muito familiares, eles intrigam os cientistas com um enigma que já dura um século: como eles evoluíram? Cientistas chineses acreditam ter achado essa resposta, graças a um fóssil encontrado em Chengjiang, na província de Yunnan, no sudoeste da China.


O fóssil, parecido com um camarão com cinco olhos, foi batizado de Kylinxia, numa referência a kylin, criatura quimérica da mitologia tradicional chinesa.


"Kylinxia é uma espécie quimérica muito rara, que combina características morfológicas de diferentes animais", afirmou Huang Diying, do Instituto de Geologia e Paleontologia de Nanjing (NIGPAS), da Academia Chinesa de Ciências (#CAS), um dos autores do estudo sobre o fóssil.


A pesquisa foi publicada na Nature. De acordo com os cientistas, a espécie Kylinxia une tanto características típicas de de artrópodes, como tronco segmentado e pernas articuladas, quando características de ancestrais do período Cambriano.


Lembra o Opabinia, que tinha cinco olhos, e o Anomalocaris, um grande predador oceânico, que chegava a medir dois metros de comprimento.


Os cientistas inseriram o Kylinxia na cadeia evolutiva entre o Anomalocaris e os verdadeiros artrópodes. "O Kylinia é um fóssil de transição crucial previsto pela teoria da evolução de Darwin", observou Zeng Han, do NIGPAS, principal autor do estudo.


Kylinxia
Reconstrução do ambiente do Kylinxia, 520 milhões de anos atrás | Ilustração: Huang Diying/CAS

Veja mais: Pássaros gigantes dominaram a Antártica há 50 milhões de anos