• Sandra Carvalho

As cidades brasileiras que vivem em clima de bangue-bangue

Duas capitais estão entre as cidades mais violentas: Fortaleza e São Luís.


 Altamira, no Pará: a mais violenta   |  Foto: cc Valter Campanato/ABr

A violência que concentrava as mortes nas grandes metrópoles brasileiras está migrando para o interior, principalmente no Nordeste e no Norte do país. Goiás e o Norte de Minas também foram engolfados nessa tendência.


O ranking das 30 cidades mais violentas do Brasil é um espelho dessa migração. Ele faz parte do Atlas da Violência 2017, assinado pelo Ipea e FBSP.


Para o ranking, foram consideradas as taxas de homicídio e de Mortes Violentas com Causa Indeterminada (MVCI). Acabaram na lista 22 cidades do Norte e do Nordeste e mais quatro de Goiás.


Altamira, no Pará, encabeça o ranking das cidades mais violentas. Município mais próximo da complicada Usina de Belo Monte, Altamira inchou descontroladamente nos últimos anos com a construção da usina.


A cidade não tem esgoto sequer para 20% da população. A taxa de escolarização dos 6 aos 14 aos é de 93, 1%, o que o IBGE considera bom para aquela área, mas fraco para o estado do Pará e muito fraco para a média do país. O PIB per capita é de 36,9 mil reais.


Cortada pela rodovia Transamazônica desde 1970, Altamira ainda espera que ela seja asfaltada.


Na lista das cidades mais violentas, há apenas duas grandes capitais: Fortaleza, com 2,6 milhões de habitantes, e São Luís, com 1 milhão. Confira:


#Assassinatos #AtlasdaViolência #Brasil #Cidades #Homicícios #Ipea #Violência