• Agência Fapesp

Até os tubarões ficam gordos nos Estados Unidos

Em Miami, os animais têm mais gordura acumulada que em outros lugares.


Tubarão lixa
Tubarão-lixa é solto no mar em Miami depois de medição e coleta de amostras | Foto: Robbie Roemer/Shark Tagging

Nem mesmo os animais marinhos parecem estar imunes ao modo de vida americano.


Pesquisadores do Brasil e dos Estados Unidos descobriram que os tubarões-lixa (Ginglymostoma cirratum) que vivem em áreas próximas à zona urbana de Miami têm mais gordura acumulada e marcadores bacterianos na dieta do que os habitantes de áreas mais conservadas.


Os resultados da pesquisa, apoiada pela Fapesp, foram publicados na revista Science of the Total Environment.


“Essa espécie parece ser mais afetada pela urbanização, uma vez que fica muito próxima a marinas, onde há muitos barcos, restos de pescaria e poluição. No entanto, esse ambiente também pode estar proporcionando uma maior quantidade de presas e maior proteção contra predadores, o que pode contribuir para o maior acúmulo de gordura”, relata Bianca Rangel, primeira autora do estudo conduzido no Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) durante seu doutorado.


Em outro trabalho, publicado na mesma revista, o grupo de pesquisadores constatou que a urbanização parece não afetar na mesma intensidade outra espécie, o tubarão-galha-preta (Carcharhinus limbatus).


Com hábitos menos sedentários, o galha-preta se locomove mais entre as áreas próximas à cidade e outras mais conservadas, como a Baía da Flórida e o Parque Nacional Everglades, consumindo uma maior variedade de presas e vivenciando ambientes mais diversificados. ✔︎ Esse texto, de André Julião, foi originalmente publicado pela Agência Fapesp de acordo com uma licença Creative Commons. Leia a versão integral aqui. Veja mais: Peixe de aquário só é feliz em filme da Disney