• Sandra Carvalho

Bagaço de maracujá vira cosmético antienvelhecimento

A startup Rubian Extratos explora os compostos bioativos antioxidantes da semente da fruta.


Maracujá: compostos bioativos extraídos com tecnologia limpa | Foto: Rubian Extratos

A economia circular vai aos poucos tomando corpo. Agora o bagaço de maracujá virou ingrediente de produto antienvelhecimento para pele, numa criação da startup Rubian Extratos, filhote da Unicamp.


O bagaço do maracujá é uma sobra da indústria de sucos, que vira lixo ou, no máximo, ração animal. Com a tecnologia da Rubian, seus compostos bioativos antioxidantes são aproveitados numa miniemulsão, um tipo de emulsão de escala micrométrica.


O complexo antienvelhecimento foi batizado de Rejuvenate (não confundir com produtos da marca Rejuvenate à venda no varejo atualmente). A Rubian não faz produto acabado, que vai para a prateleira das lojas - é uma startup B2B, isto é, trabalha com outras empresas.


Segundo a Rubian, o Rejuvenate reduz rugas e manchas e hidrata a pele, combatendo as enzimas que degradam o colágeno e a elastina e inibindo a produção de melanina. Foi testado em hidratantes, loções de limpeza e em fórmulas de farmácias de manipulação.


"Nosso objetivo era transformar esse rejeito em algo de valor, com um propósito de sustentabilidade", notou o engenheiro químico Eduardo Aledo, sócio da Rubian.


O bagaço é processado com técnicas limpas, que dispensam solventes químicos tóxicos. Seus extratos contêm polifenóis, tocotrienóis, carotenoides e ácidos graxos, os compostos bioativos que vão beneficiar a pele.


"O que fazemos é basicamente desconstruir o bagaço do maracujá e reconstruí-lo em uma forma emulsionada, de acordo com a necessidade do cliente", descreve o engenheiro de alimentos Philipe dos Santos, outro sócio da startup.


O Rejuvenate pode ter várias aplicações, e não só para pele. Pode servir também para alimento, de acordo com a Rubian. "É um produto minimalista, vegano, 100% natural e em toda sua produção não é utilizado nenhum insumo de origem sintética", afirma Santos.


Veja mais: Olhe o que está faltando no prato do brasileiro