• Sandra Carvalho

Biblioteca de Tianjin: arquitetura genial e uma ideia furada: livros fake

São cinco andares com ondas de estantes, mas não dá para acessar os pisos superiores.

Biblioteca: ondas de estantes | © Ossip van Duivenbode/MRDV

A Biblioteca Tianjin Binhai, aberta no começo do mês em Tianjin, uma das maiores cidades da China, é um dos pontos altos da arquitetura em 2017.


Com um design branco genial, ela se espalha por 33 mil metros quadrados em cinco andares de ondas de estantes para livros e bancadas para sentar. No centro, há um auditório esférico luminoso, chamado de Olho.


O projeto é dos holandeses da MVRDV, com escritórios em Rotterdam e Xangai. Foi feito e executado em três anos, um prazo curto para a ambição da obra. Tem espaço para 1, 2 milhão de livros físicos.


O falatório sobre a biblioteca tem origem nesse prazo corrido, e não em sua arquitetura espetacular. Para entregar tudo na data certa, uma parte do projeto foi para o lixo, contra a opinião dos arquitetos da MVRDV: o acesso às estantes superiores.


Como ninguém consegue chegar lá, essas estantes superiores hoje têm apenas placas de alumínio representando livros. Os faxineiros têm de usar cordas e andaimes para fazer a limpeza do local.


No futuro, se o projeto for completado, o acesso e a utilização dessas estantes se tornarão possíveis.


Por enquanto, o esquema está caindo mal. Depois de incensada nas redes sociais, a biblioteca agora também é criticada.


"A maioria das estantes da belíssima livraria é fake", acusou, por exemplo, o site Mashable, baseado em comentários nas redes sociais chinesas.


Impossível prever o desfecho. Por enquanto, o que dá para fazer é apreciar as formas magnifícas da biblioteca de Tianjin. Todas as fotos são de Ossip van Duivenbode/MVRDV.



#Arquitetura #Bibliotecas #China