• Sandra Carvalho

Big Brother chinês: coleta de DNA de toda população de Xinjiang

Na região, predomina a minoria étnica uigur, muçulmana, e há movimentos separatistas.


Mercado de Hotan | Foto: cc Colegota/Wikimedia Commons

A China está fazendo a maior coleta aberta de DNA do mundo na província de Xinjiang, no extremo Nordeste do país. Todos os habitantes da região entre 12 e 65 anos estão incluídos no cadastramento genético.

Para pessoas de maior interesse do governo chinês, os dados de DNA são cadastrados em qualquer idade.

A região de Xinjiang, com 21 milhões de habitantes, tem presença forte da minoria étnica uigur, mais próxima das populações turcomanas da Ásia Central do que da maioria han da China.

Muçulmanos, os uigures conseguem praticar sua religião publicamente, mas com restrições. É proibido tudo o que o governo chinês considera exageros - barbas longas, véus, nomes como Jihad ou Medina.

Há movimentos separatistas na região, que preferem chamar Xinjiang de Turquestão Oriental, e atentados políticos violentos esporádicos, inclusive com dezenas de mortes.

O levantamento massivo de DNA foi denunciado pela organização Human Rights Watch (HRW) em Nova York. DNA e amostras de sangue estão sendo coletados num exame médico anual gratuito muito utilizado pela população.

Biodata criticada


"A criação obrigatória de um banco de dados com biodata de toda a população, inclusive DNA, é uma violação grosseira de normas internacionais de direitos humanos, e é ainda mais perturbadora se é feita sub-repticiamente, sob disfarce de um programa de saúde gratuito", afirmou Sophie Richardson, diretora do HRW para China.

O programa de cadastramento da população foi iniciado em fevereiro deste ano. Ele abrange não apenas a coleta de DNA, mas fotografias, identificação digital, varredura de íris e amostras de sangue.

O trabalho está dividido entre as equipes médicas (coleta de DNA e amostras de sangue durante os exames médicos anuais) e funcionários do Partido Comunista e da polícia ( fotografias, dados biométricos e cartão de registro residencial, chamado de hukou).

Conforme o HRW, a tecnologia para o sequenciamento de DNA foi fornecida à China pela empresa americana Thermo Fisher Scientific, de Massachusetts, um gigante em biotecnologia com faturamento anual de 20 bilhões de dólares e 65 mil funcionários ao redor do mundo.


#China #DNA #Genética #MinoriasÉtnicas #Muçulmanos #Privacidade #Religiões #Xinjiang