• Sandra Carvalho

Cientistas editam embriões humanos com sucesso, e fazem história

Os embriões sobreviveram com o DNA melhorado por dias, até a eutanásia.

Embriões humanos: editados, mas sem vida longa | Foto: cc Zeiss Microscopy/Wikimedia Commons

Cientistas de Portland, Oregon, editaram embriões unicelulares e conseguiram corrigir genes com defeitos que causam doenças hereditárias.


Eles usaram a ainda incompreendida técnica de edição de genes chamada CRISPR e alteraram os embriões com sucesso pela primeira vez na história.


Cientistas chineses já tentaram fazer a mesma coisa, em experiências importantes e divulgadas em publicações acadêmicas, mas que não foram inteiramente bem-sucedidas.


A experiência americana foi liderada pelo cientista do Cazaquistão Shoukhrat Mitalipov, da Universidade de Saúde e Ciência do Oregon (OHSU). Ele já era conhecido, por ter clonado macacos pela primeira vez no mundo, em 2007, e ter clonado embriões humanos em 2013.


A pesquisa ainda não foi publicada por qualquer jornal científico, e o mundo só ficou sabendo dela por um furo de uma publicação do MIT, a MIT Technology Review.


Os embriões com o DNA melhorado viveram alguns dias, mas não mais do que isso, por decisão dos cientistas, de acordo com a publicação. O objetivo deles era mostrar que é possível livrar os bebês de genes defeituosos.


Segundo a MIT Technology Review, dezenas e dezenas de embriões in vitro foram alterados com sucesso. Homens que tinham doenças hereditárias causadas por mutações em genes cederam esperma para a experiência.


O ponto importante é que Mitalipov e equipe conseguiram reduzir drasticamente o mosaicismo que atrapalhou as experiências chinesas, quando apenas algumas células incorporaram as mudanças desejadas de DNA.


#CRISPR #DNA #EdiçãodeGenes #Genética #OHSU