• Sandra Carvalho

Cinco antibióticos podem causar defeito em bebês

Fetos expostos no útero a esses remédios no início da gestação têm mais defeitos congênitos.


Recém-nascido: clindamicida ligada a um maior risco dos principais defeitos congênitos   |   Foto: cc0 Pixabay

Até agora, havia poucos estudos ligando antibióticos à malformação de bebês, e nenhum definitivo. Mas uma equipe de cientistas canadenses fez um estudo massivo de nascimentos que acaba de esclarecer muitas dúvidas que estavam no ar.


Eles analisaram 140 mil nascimentos de Quebec entre 1998 e 2008. Chegaram à conclusão o uso de cinco antibióticos no primeiro trimestre de gravidez está associado a malformação de bebês.


O estudo, ligado à Universidade de Montreal (UdeM), foi publicado dia 19 de julho no jornal British Journal of Clinical Pharmacology.


Fetos expostos no útero à clindamicina, doxiclina, quinolonas, macrólidos e fenoximetilpenicilina nos primeiros três meses de gestação registraram mais defeitos congênitos que outros.


A clindamicina foi ligada a um maior risco dos principais defeitos congênitos, malformação do sistema muscoloesquelético e defeito do septo ventricular/atrial.


A doxiclina foi associada a um maior risco de malformação do sistema circulatório, do sistema cardíaco e também de defeito septo ventricular/atrial.


Os antibióticos amoxicilina, cefalosporina e nutrofurantoína não foram associados a defeitos congênitos dos bebês.


Sem desistir de antibióticos


Os pesquisadores não indicaram a suspensão de antibióticos em geral durante a gravidez - apenas sugeriram que a escolha entre os antibióticos seja feita levando em conta a possibilidade de malformação.


"Infecções durante a gravidez são frequentes e devem ser tratadas", observou Anick Bérard, uma das autoras do estudo, em comunicado do grupo de publicações científicas Wiley.


"Nosso estudo sublinha as opções mais seguras para o tratamento de infecções, mais especificamente do pulmão e do trato urinário, pelo menos durante o primeiro trimestre de gravidez", complementou.


#Antibióticos #Bebês #DefeitosCongênitos #Gravidez #ReproduçãoHumana #UdeM