• Sandra Carvalho

Cleveland tenta se livrar de suas casas fantasmas

Há 10 mil casas abandonadas pela cidade, metade marcada para demolição.


Vista de Cleveland
Cleveland: de longe, tudo lindo | Foto: cc Aeroplanepics00112

Não se impressione demais com o panorama perfeito de Cleveland visto à distância.

Cleveland, em Ohio, é uma cidade assombrada por casas fantasmas.

Há 10 mil casas abandonadas pela cidade, das quais quase 5.300 tão arruinadas que estão marcadas para ser demolidas.


Pelo menos é esse o diagnóstico da ONG Western Reserve Land Conservancy.

Cleveland fica em pleno Cinturão da Ferrugem, a decadente região industrial dos Estados Unidos, que um dia já foi um motor poderoso da economia americana.


Não por acaso, foi em Cleveland que nasceu Seph Lawless, o fotógrafo que melhor retrata o declínio das áreas industriais americanas, de casas abandonadas a shopping centers fantasmas.


Hoje a cidade pena com execuções de hipotecas de famílias falidas, que não podem mais pagar por suas casas, e a fuga da cidade de quem não consegue mais achar os antigos empregos por ali.


Cleveland encolhe, em vez de crescer, como tantas outras cidades do Cinturão da Ferrugem - Detroit, Flint, Pittsburgh. A população, que chegou a 914 mil em 1950, só diminui, se reduzindo a 388 mil em 2015.


Casa fantasma em Cleveland
Casa fantasma: até demolir é complicado | Foto: cc Stuart Pivac

O abandono se concentra mais em Cleveland East e no subúrbio de East Cleveland, regiões em que o valor das casas caiu em média entre 70% e 80% de 2005 em diante.


É um ciclo perverso - casas abandonadas tendem a ser invadidas, dilapidadas e usadas como pontos de tráfico de drogas e prostituição. Mais: ainda atraem os malucos que fazem incêndios criminosos.


Praticamente ninguém quer ficar perto delas - e o preço dos imóveis próximos desaba.

A visão de vastas áreas desocupadas e abandonadas também não ajuda nada na tentativa de revitalizar a economia com investimentos e gente de fora. É um argumento visual desanimador.


Cleveland tenta se livrar dessas casas fantasmas há 12 anos. Gastou 63 milhões de dólares de 2005 a 2015 para demolir 3000 delas.


Mas um levantamento recente da ONG Western Reserve Land Conservancy apontou 10 mil casas largadas, mais da metade tidas como irrecuperáveis.


Por que não aproveitar uma parte dessas casas vazias para as pessoas que vivem nas ruas em Cleveland, sem ter um lugar para morar?


Demolir uma casa na cidade não fica barato - custa 10 mil dólares. Recuperar uma casa destruída pode consumir 50 ou 60 mil, sem garantia de bons resultados.

Para uma prefeitura com recursos escassos, o racional financeiro de curto prazo acaba pesando mais.


Demolição em pauta


De qualquer forma, a ONG Western Reserve Land Conservancy levantou 400 milhões de dólares para demolir as casas fantasmas no estado de Ohio, e boa parte dos recursos deve ir para Cleveland.


A cidade vai resolver seus problemas de declínio econômico e degradação urbana demolindo casas e outros edifícios abandonados?


O resultado imediato das demolições, se restritas, é o alívio dos vizinhos e das pessoas que passam por ali. A valorização imobiliária da área próxima é quase garantida.


É claro que se as demolições atingem um perímetro muito grande, criando enormes áreas de terra arrasada, não é bem assim.


“Há muita demolição que é absolutamente necessária, mas você tem de ter estratégias mais abrangentes”, disse à Bloomberg Alan Mallach, da ONG Centro para o Progresso da Comunidade, focada na revitalização de áreas vazias, comentando a onda de demolições em cidades americanas que encolhem.


“Se a única ferramenta que você tem é um martelo, tudo vai parecer com um prego.”

Além de Cleveland, muitas outras cidades americanas que encolhem pôem abaixo suas casas deterioradas - Detroit, Baltimore, Flint, Filadélfia, Memphis… a lista é longa.


E como as demolições começaram há muitos anos e não dão sinal de parar, já tem gente se perguntando se não há um exagero em tanto apelo a escavadeiras e guindastes.