• Sandra Carvalho

Comida de cachorros e gatos está saindo cara para o meio ambiente

Esses pets já chegam a 163 milhões nos Estados Unidos, e se a China se entusiasmar...


Cachorro e gato: comida de grife só piora a situação | Foto: cc0 Pixabay

Eles são super fofos, ótima companhia, um estímulo para sair por aí e mexer o corpo. Mas são tantos que já estão deixando uma pegada inconveniente no planeta.


Animais de estimação se espalham pelo mundo todo, mas se concentram principalmente nos Estados Unidos. Cachorros e gatos chegam a 163 milhões por lá, e a comida que eles consomem está minando o meio ambiente.


É como se houvesse 62 milhões a mais de pessoas no país. Mais do que se a Itália inteira se mudasse de uma vez para os Estados Unidos, com todos seus 60 milhões de habitantes.


O impacto da comida de cachorros e gatos foi medido por Gregory Okin, professor de Geografia da Universidade da Califórnia (UC) em Los Angeles. Seu estudo foi publicado na semana passada no jornal científico PLOS One.


O peso da pegada dos pets no meio ambiente pode ficar ainda pior com o aumento dos animais domésticos na China, ele alerta.


Qualquer mudança de hábito país, como se sabe, tem repercussões monumentais, dada a sua população de 1,4 bilhão de habitantes, a maior do mundo.


Segundo o estudo, os cachorros e gatos americanos já consomem 19% das calorias em geral ingeridas por humanos nos Estados Unidos, e 33% das calorias de origem animal.


Pets tratados como gente


São 77,8 milhões de cachorros e 85,6 milhões de gatos. A tendência de tratar cada vez mais esses pets como gente, comprando para eles comida de grife, só piora a situação. Aumenta a composição de carne, e de carne considerada de boa qualidade, nas rações.


Dietas baseadas em carne, como se sabe, consomem muito mais terra e água e têm mais consequências negativas para o meio ambiente, em termos de erosão, pesticidas e desperdício, argumenta o estudo.


Okin registrou que a produção da comida de cachorros e gatos nos Estados Unidos dá origem a 64 milhões de toneladas de gases estufa por ano. O Washington Post fez as contas e viu que isso equivale a 12 milhões de carros rodando um ano inteiro.


O professor calculou inclusive o impacto do cocô de cachorros e gatos - correspondem ao total de lixo produzido por 6,6 milhões de americanos, um estado de Massachusetts inteiro.


Okin reconhece o papel dos cachorros e gatos no bem estar das pessoas, no desenvolvimento das crianças, no estímulo às atividades físicas, em melhorias da saúde mental e até no status social.


Menciona também os cachorros trabalhadores, que ajudam pessoas com deficiências físicas, auxiliam a polícia em tarefas de resgate e segurança e dão duro em fazendas.

Os gatos também recebem reconhecimento dele, por caçarem ratos, além dos benefícios naturais que proporcionam como animais de estimação.


Mas Okin sugere que seria bom para o planeta uma transição para pets que consomem menos carne, como pássaros, roedores e répteis.


#Cachorros #China #Comida #EUA #Gatos #PegadaEcológica #Pets #UCLA