• Sandra Carvalho

Como aconteceu a maior extinção em massa da Terra?

Cientistas tentam explicar como grande parte da vida acabou 252 milhões de anos atrás.


Início da extinção em massa, segundo a visão de um artista | Ilustração: Dawid Adam Iurino/Sapienza Universitá di Roma

Há 252 milhões de anos, três quartos da vida terrestre e 95% da vida nos oceanos desapareceram. A extinção aconteceu ao longo de alguns milhares de anos, marcando o fim do Período Permiano e o início do Triássico.


Não foi a única extinção em que a maioria das espécies sumiu do mapa na Terra, mas foi a mais extensiva.


Como isso aconteceu? Dois gatilhos para esse desastre são mais discutidos: erupções vulcânicas monumentais no que é hoje a Sibéria e liberação de quantidades massivas de metano do fundo do mar.


Cientistas alemães do Centro Helmholtz em Kiel e Potsdam acabam de reconstituir o que teria acontecido com base em fósseis de conchas datados dessa época. Eles descartaram a hipotése de liberação do metano e penderam mais para a hipótese vulcânica.


Segundo sua pesquisa, o aquecimento e a acidificação dos oceanos somados a um imenso volume de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera lançado pelos vulcões foram fatais para os organismos marinhos.


Além disso, dizem, o CO2 elevou a temperatura global e aumentou o intemperismo químico. Houve também um excesso de nutrientes nos oceanos, com subsequente esgotamento do oxigênio em larga escala.


"Esse colapso semelhante a um dominó dos ciclos e processos de sustentação da vida levou, em última análise, à extensão catastrófica da extinção em massa na fronteira do Permiano-Triássico", afirmou Hana Jurikova, primeira autora do estudo.


A pesquisa foi publicada na Nature Geoscience.


Veja mais: Humano moderno chegou a Portugal 40 mil anos atrás


#Extinção #Fósseis #Paleontologia