• Sandra Carvalho

Coronavírus: não temos vacinas, mas temos milionários

Pelo menos dois executivos do laboratório Moderna já nadam em dinheiro.


Wall Street: Moderna já foi recompensada | Foto: cc0 Aditya Vyas/Unsplash

Esta semana o laboratório de biotecnologia americano Moderna, de Cambridge, divulgou resultados promissores de sua vacina contra Covid-19 em testes preliminares.


Segundo a Moderna, a vacina, chamada de mRNA 1273, conseguiu produzir tantos anticorpos ou até mais que os de uma pessoa convalescente da infecção nos 45 participantes do teste. Mais: a vacina teria se mostrado segura no geral e bem tolerada entre eles.


Como seu próprio nome diz, vacina da Moderna é baseada em RNA mensageiro (mRNA), algo que até agora nunca foi conseguido com sucesso no campo das vacinas. Um desafio importante são os efeitos colaterais da tecnologia.


Conforme a Moderna, nenhum dos 45 participantes do teste teve reações que ameaçassem sua vida, incluindo os que tomaram as doses mais altas da vacina.


Os testes foram conduzidos pelo NIAID, o Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos EUA, parte do NIH. A FDA, a agência americana reguladora de remédios e alimentos, já deu o sinal verde para a próxima fase de testes.


Com esses sinais positivos, o mercado financeiro tem recompensado a Moderna com generosidade, e já fez alguns milionários entre seus executivos, como revelou a CNN.


O valor de mercado da empresa, que até agora não lançou um único produto, está hoje em 26,8 bilhões de dólares, de acordo com dados da Bloomberg.


No mesmo dia em que a Moderna anunciou seus bons resultados com os testes da vacina, Lorence Kim, o vice-presidente financeiro, exerceu 3 milhões de dólares de opções de ações e vendeu tudo imediatamente por 19,8 milhões.


No dia seguinte, o principal executivo da área médica do laboratório, Tal Zaks, exerceu 1,5 milhão de dólares de opções e vendeu na hora as ações por 9,8 milhões.


Houve quem achasse essas operações estranhas, como se tivessem algo a ver com inside trading. Segundo a Moderna, não têm. Elas teriam sido automaticamente executadas por planos 10b5-1.


Esses planos 10b5-1 são esquemas passivos de investimento, em que executivos abrem mão do controle direto das transações de compra e venda, se defendendo antecipadamente de acusações de inside trading.


Veja mais: Acharam mesmo um escudo eficaz contra o coronavírus na Califórnia?


#Coronavírus #Empresas #FDA #MercadoFinanceiro #Negócios #NIH #Vacinas #WallStreet