• Sandra Carvalho

Coronavírus: o que outros países estão fazendo (mas o Brasil não)

As medidas vão do fechamento de escolas e museus a quarentena de cidades inteiras.


Jornal de Londres: coronavírus é manchete em todo lugar | Foto: cc0 Hello I'm Nik/Unsplash

A esta altura, a epidemia de coronavírus corre o mundo - são pelo menos 50 países com mais de 82 mil pessoas infectadas e 2.810 mortas.


Veja o que outros países estão fazendo diferente do Brasil, independentemente de serem ou não as medidas mais eficazes ou se aplicarem ou não no momento a um país que tem apenas um caso confirmado da epidemia.


A medida de defesa mais comum foi bloquear as fronteiras aéreas, banindo ou restringindo voos da China. Mais de 70 países fizeram isso, independentemente da oposição da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de muitos epidemiologistas.


Agora que há outros focos importantes da epidemia fora da China, como na Coreia do Sul, Itália e Irã, esses países também estão entrando nas listas negras de voos.


Por país, os detalhes desse combate ao coronavírus:


1. A China continental ( 78.497 casos da epidemia) foi mais longe que qualquer país em medidas extraordinárias de contenção da epidemia. Mais de 50 milhões de pessoas estão em quarentena na província de Hubei, o epicentro do novo coronavírus, há mais de um mês. Isolamento de edifícios e bairros residenciais, mais rígidos ou menos rígidos, afetaram aproximadamente 760 milhões de pessoas no país, segundo estimativas do New York Times. Várias cidades de Hubei estão pagando para pessoas com sintomas do vírus e se apresentarem. Os locais públicos para quarentena continuam se multiplicando na província. A China construiu vários grandes hospitais pré-fabricados em questão de dias e improvisou dezenas de outros em instalações do governo para tratar os casos mais brandos.


2. A Coreia do Sul (1.766 casos) está testando mais de 200 mil pessoas da Igreja de Jesus Shincheonji, onde aparentemente o surto mais violento da doença no país começou. O epicentro coreano da epidemia fica em Daegu, a pouco mais de 200 km de Seul. As escolas adiaram o início das aulas.


3. A Itália (528 casos) colocou em quarentena 11 pequenas cidades do norte do país, com cerca de 100 mil habitantes no total. Certas partidas de futebol estão sendo jogadas com os estádios vazios na região. Museus de Veneza e Turim foram fechados. Muitas escolas da região também. O último dia de carnaval em Veneza foi cancelado.


4. No Irã (245 casos oficiais) as preces de sexta-feira nas mesquitas, sagradas para o governo islâmico, foram canceladas. As peregrinações a Qom, onde aparentemente fica o epicentro da epidemia no país, não.


5. O Japão (189 casos) determinou o fechamento de todas as escolas de segunda-feira em diante, por um mês, enquanto o governo tenta conter o coronavírus, proteger os japoneses e salvar as Olimpíadas de Tóquio. A medida atinge 13 milhões de alunos, segundo a BBC.


6. Os Estados Unidos (60 casos) mantêm todas as pessoas infectadas em isolamento, recebendo tratamento em hospitais. Americanos que chegam da China passam por um exame médico que checa se a pessoa tem febre e observa se há outros sintomas do coronavírus. Estrangeiros que estiveram na China nas duas semanas anteriores não entram no país.


7. A Austrália (22 casos) baniu os visitantes da China continental.


8. Na Alemanha (26 casos), 400 funcionários de uma fabricante de carros da Baviera foram colocados em isolamento em suas casas depois que um homem da China transmitiu o vírus a vários a pessoas da equipe. O surto local foi debelado.


9. Na França (18 casos), o último dia de carnaval em Nice foi cancelado.


10. No Reino Unido (15 casos), quem volta das 11 cidades italianas em quarentena no norte do país, assim como do Irã, zonas afetadas na Coreia do Sul e província chinesa de Hubei deve ligar para o o NHS, o SUS local, se isolar em casa e evitar contato com outras pessoas, mesmo sem sintomas.


11. Tenerife, nas Ilhas Canárias, Espanha (15 casos), colocou todos os hóspedes do Costa Adeje Palace Hotel em quarentena compulsória, porque um deles, um médico italiano, teve teste positivo de coronavírus.


12. No Iraque (6 casos), o governo decidiu fechar escolas, cinemas, café, clubes e outros lugares públicos até o dia 7 de março. Também proibiu os iraquianos de viajar para China, Irã, Japão, Coreia do Sul, Tailândia, Cingapura, Itália, Kuwait e Bahrein.


13. Em Innsbruck, na Áustria (3 casos), os hóspedes do Grand Hotel foram colocados em quarentena depois que um funcionário italiano contraiu o vírus.


13. A Grécia (3 casos) cancelou o carnaval do próximo fim de semana.


14. O Paquistão (2 casos) fechou a fronteira com o Irã no domingo e submete peregrinos vindos de locais sagrados do islamismo a uma triagem médica na cidade de Taftan, segundo o NY Times. Em duas províncias há fechamento de escolas.


15. A Arábia Saudita (nenhum caso) proibiu a entrada de peregrinos religiosos com intenção de visitar Meca e Medina. Os aviões da Emirates que voam para lá não levam mais chineses, japoneses, italianos, iranianos, indianos ou paquistaneses.


Muitas dessas medidas são bem recentes - ainda não é possível saber se darão resultado. No caso da China, o primeiro país da epidemia, já há uma ou outra conclusão.


Para Bruce Aylward, que chefiou a missão da OMS à China, os esforços de contenção da epidemia em Hubei deram tempo às outras províncias para se prepararem, prevenindo provavelmente centenas de milhares de casos da doença. Sua análise foi publicada no site da Science.


#China #CoreiadoSul #Coronavírus #Doenças #Epidemias #Irã #Itália #OMS