• Sandra Carvalho

Coronavírus: os efeitos colaterais temidos da cloroquina

Os riscos do uso da cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina num alerta canadense.


Micrografia eletrônica colorizada de célula infectada pelo novo coronavírus | Imagem: NIAID/Flickr

O cientista canadense David Juurlink decidiu advertir médicos e seus pacientes dos riscos das três drogas mais polêmicas usadas atualmente para tratar e prevenir a Covid-19 - cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina.


Para Juurlink, as consequências do uso desse trio são potencialmente sérias, podendo inclusive ameaçar a vida dos doentes. Sua advertência foi publicada no jornal CMAJ, da Associação Médica Canadense.


Juurlink, um especialista em farmacologia e toxicologia da Universidade de Toronto (UofT) e do Hospital Sunnybrook, reconhece que tanto a cloroquina quanto a hidroxicloroquina são geralmente bem toleradas, usadas há décadas no tratamento e prevenção da malária e de doenças inflamatórias crônicas como lúpus e artrite reumatoide.


Mas ele afirma também que as evidências para justificar seu uso contra o novo coronavírus são fracas e chama atenção para esses efeitos adversos potenciais:


1 - Arritmias cardíacas


2 - Hipoglicemia


3 - Efeitos neuropsiquiátricos, como agitação, confusão, alucinação e paranoia


4 - Interações com outras drogas


5 - Variabilidade metabólica


6 - Overdose (cloroquina e hidroxicloroquina, segundo Juurlink, são altamente tóxicas em overdoses e podem causar convulsões, coma e parada cardíaca)


7 - Escassez de hidroxicloroquina, deixando pessoas com distúrbios autoimunes como artrite reumatoide e lúpus sem o remédio


"Apesar do otimismo pelo potencial da cloroquina ou hidroxicloroquina no tratamento de Covid-19, se dá pouca consideração à possibilidade de que as drogas possam influenciar negativamente o curso da doença", observou Juurlink num comunicado da Associação Médica Canadense. "Por isso precisamos de uma melhor base de evidências antes de usar essas drogas rotineiramente no tratamento de pacientes com Covid-19."


Veja mais: Remédios à base de maconha estão liberados nas farmácias


#Coronavírus #Doenças #Epidemias #Overdoses #Remédios #UofT