• Sandra Carvalho

Coronavírus: os piores lugares para sentar numa sala

Não basta ficar longe de quem está falando para se garantir contra o vírus.


Ambientes internos: risco maior | Foto: cc0 Airfocus/Unsplash

Ambientes fechados são um perigo em termos de propagação da Covid-19. Em apresentações de trabalho ou em salas de aula, o ar viciado joga para cima a probabilidade de transmissão da doença. E onde as pessoas sentam faz toda a diferença.


No início da pandemia do novo coronavírus, boa parte da atenção para evitar o contágio foi para as gotículas expelidas pelo nariz ou pela boca de pessoas infectadas, através da tosse e de espirros. Essas gotículas tendem a descer logo para o chão e não vão muito longe. Com máscaras e distanciamento, as gotículas se tornam menos ameaçadoras.


Agora se sabe que os minúsculos aerossóis, com menos de 5 mícrons, que vão para o ar quando as pessoas com Covid-19 falam ou mesmo respiram, são tão importantes quanto as gotículas na disseminação do novo coronavírus.


Os aerossóis carregam uma menor quantidade de vírus, mas tendem tendem a permanecer mais tempo flutuando no ar, por serem mais leves. Máscaras e distanciamento, mais uma vez, podem ajudar.


Numa sala mal ventilada, durante uma aula ou apresentação de negócios, o risco de contaminação pelo ar é alto para todos em qualquer lugar, e a melhor prevenção é sair dali imediatamente.


Numa sala bem ventilada, quem se expõe imediatamente mais ao contágio é quem senta mais perto de quem está falando. Quem ficar no fundão estará muito mais protegido.


Suresh Dhaniyala, professor de Engenharia Mecânica e Aeronáutica da Universidade Clarkson, fez uma experiência em uma sala de aula para 30 estudantes com um bom sistema de ventilação.


No experimento, ele liberou partículas na frente da sala e elas chegaram ao fundo do ambiente entre 10 e 15 minutos depois. Mas, com a ventilação bem feita, a concentração de partículas no fundo da sala, numa distância de 6 metros, se mostrou um décimo da encontrada na frente.


De qualquer forma, Dhaniyala adverte: se o tempo de permanência no ambiente com alguém infectado se prolonga, o risco de infeção vai estender para todo mundo.


Além de manter distância de quem está falando, é bom evitar os cantos das salas, porque nas extremidades dos ambientes a troca de ar tende a ser menor, e os aerossóis param por ali mais tempo.


Ficar longe do fluxo do ar do sistema de ar condicionado e de sua saídas também é prudente, porque as partículas vão passar por ali durante a troca de ar.


Veja mais: Coronavírus no ar: onde está meu tricorder de Star Trek?


#ArCondicionado #UniversidadeClarkson #Aerossóis