• Sandra Carvalho

Coronavírus: respirou, espalhou?

Alguns cientistas defendem a tese de que o vírus se propaga até através do ar.


Máscara: proteção contra gotículas | Foto: cc0 Ani Kolleshi/Unsplash

Até pouco tempo atrás se imaginava que o novo coronavírus se espalhava principalmente por gotículas de tosse e espirros ou pelo toque de superfícies contaminadas pelos doentes.


Mas agora se suspeita também que a contaminação pode se dar pelo ar: o novo coronavírus ficaria suspenso no ar numa névoa ultrafina produzida pelas pessoas com Covid-19 ao simplesmente expirarem.


Essa hipótese de aerolização do vírus foi defendida pelo cientista americano Harvey Fineberg, do Comitê de Doenças Infecciosas Emergentes e Ameaças à Saúde do Século 21, no início do mês.


Em março, o assunto já vinha sendo discutido, impulsionado por um estudo publicado no New England Journal of Medicine. Nesse estudo, os cientistas afirmavam que as gotículas do SARS-CoV-2 podem flutuar no ar em aerosol, em gotículas de menos de 5 mícrons, por até três horas.


A OMS não encampou a tese da transmissão do novo coronavírus pela respiração, pelo menos até agora. Seja como for, o uso de máscaras por todo mundo passa a ser ainda mais indicado.


Veja mais: Tudo que Taiwan fez para deter o coronavírus (e o Brasil não)

Apenas 6% dos casos são detectados, diz estudo alemão

Chegou a hora das máscaras de panos. Elas resolvem?


#Coronavírus #Doenças #Epidemias #Vírus