• Sandra Carvalho

Crianças neandertais cresciam como as de hoje

Os bebês inclusive desmamavam na mesma idade que os de agora.


Criança neanderthal: vida desvendada através de dentes de leite | Foto: Museu Neanderthal

Três dentes de leite de crianças neandertais encontrados numa pequena área do nordeste da Itália foram o ponto de partida para uma equipe internacional de cientistas descobrir como elas se desenvolviam.


O que os cientistas constataram? Que as crianças neandertais cresciam de uma maneira similar à das crianças atuais. Até a época de desmamar é semelhante: os neandertais introduziam comida sólida na dieta de seus bebês por volta dos cinco ou seis meses de idade.


Os dentes pertencem a três diferentes crianças que viveram entre 70 mil e 45 mil anos atrás. Foram estudados com análises geoquímicas e histológicas.


Os neandertais são nossos primos mais próximos na árvore da evolução humana. Segundo os cientistas, as crianças neandertais tinham demandas de energia na primeira infância próximas das dos bebês Homo sapiens. E cresciam num ritmo semelhante.


O estudo sugere também que os recém-nascidos neandertais tinham peso similar ao dos recém-nascidos humanos modernos.


De acordo com os pesquisadores, os neandertais se moviam menos de lugar do que estudos anteriores sugeriram, passando a maior parte do tempo perto de suas casas.


"Isso reflete um modelo mental muito moderno e um provável uso cuidadoso dos recursos locais", comentou Wolfgang Müller, da Universidade Goethe de Frankfurt, um dos autores do estudo.


Na época estudada, entre 70 e 45 mil anos atrás, houve um esfriamento geral, o que dificultou a sobrevivência dos neandertais. Mas o nordeste da Itália era rico em alimentos, diverso ecologicamente e com cavernas para abrigo.


"Isso explica em última análise a sobrevivência dos neandertais nessa região até cerca de 45 mil anos atrás", afirmou Marco Peresani, da Universidade de Ferrara (Unife), outro autor do estudo.


A pesquisa foi publicada no joral PNAS.


Veja mais: Essa era a tecnologia avançada dos neandertais


#UniversidadeGoethedeFrankfurt #Unife