• Sandra Carvalho

Dormir menos de 6 horas por noite pode ferrar a mente

Em adultos, o risco é de comprometimento cognitivo, dizem cientistas da PennState.


Insônia: risco medido | Imagem: cc0 CDD20 /Pixabay

Adultos com insônia, que dormem menos de seis horas por noite, são candidatos a problemas cognitivos. O risco foi medido por cientistas da Universidade Estadual da Pensilvânia, a PennState.


Em testes de laboratório, eles constataram que pessoas com insônia, que se queixavam de dormir menos de seis horas por noite, e realmente não dormiram nem seis horas no laboratório, tinham duas vezes mais probabilidade de ter comprometimento cognitivo que pessoas com as mesmas queixas que dormiram seis horas ou mais no laboratório.


Os testes foram feitos em sala com som, luz e temperatura controlados. Os pesquisadores também checaram os hábitos dos participantes e fizeram exames de saúde física e mental.

A ideia é aperfeiçoar as avaliações dos riscos de demência.


Por suas limitações, o estudo não chegou a apontar relação de causa e efeito entre o sono insuficiente e o comprometimento cognitivo.


Tecnicamente, insônia é a dificuldade para adormecer, continuar dormindo ou acordar cedo demais. Se isso acontece três vezes por semana durante pelo menos três meses, dizem os pesquisadores, trata-se de um distúrbio crônico.


Segundo o Centro de Pesquisa e Tratamento do Sono da PennState, 25% dos adultos reclamam de problemas de insônia e 10% têm insônia crônica. O estudo da PennState foi publicado no jornal SLEEP.


Veja mais: Noite mal dormida estraga até as boas coisas do dia


#ProblemasCognitivos #PennState #Insônia #Demência