• Sandra Carvalho

E-commerce na pandemia: 39 envios por segundo no Brasil

Em média, seis pacotes foram enviados por pessoa ao longo de 2020.


Entregas nos Estados Unidos: muito maiores do que no Brasil, mas com menor crescimento | Foto: cc0 Wynand van Poortvliet/Unsplash

A companhia americana Pitney Bowes, de Stamford, Connecticut, fez as contas: 1,2 bilhão de encomendas foram despachadas no Brasil em 2020. Com as pessoas em casa por causa da pandemia de Covid-19, essas entregas cresceram 46%.


Em 2019, o e-commerce remeteu em média 4 pacotes por pessoa. Em 2020, foram 6 pacotes, um a cada 39 segundos, chegando a 3,4 milhões de encomendas por dia.


Os números fazem parte do Índice de Envio de Encomendas Pitnew Bowes de 2021. A #PitneyBowes é uma companhia de serviços de remessa de encomendas que acompanha as operações de e-commerce em 13 países, onde vivem 3,8 bilhões de pessoas.


Nesses mercados, no total, foram entregues 131 bilhões de encomendas ao longo de 2020.


O salto brasileiro de 46% nas entregas físicas foi o maior dos 13 mercados acompanhados, que ficou na média em 27%.


Em dinheiro, o crescimento no país foi menor, de 13% - passou de 4,4 bilhões de dólares em 2019 a 5 bilhões em 2020.


O #Correios ficou com a parte do leão: abocanhou 39% do faturamento desse mercado. Mas também suou mais: entregou 51% dos pacotes, concorrendo com empresas como Total Express, TNT, Jadlog, Directlog e Gollog.


Mapa das entregas de e-commerce
Mapa: Pitney Bowes

Considerando todos os mercados acompanhados pela Pitney Bowes, em 2020 foram despachados a cada segundo 4.160 pacotes - o que deu uma média de 34 encomendas por pessoa ao longo do ano.


Esse mercado movimentou 429 bilhões de dólares em 2020 nos Estados Unidos, Canadá, Brasil, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Noruega, Suécia China, Japão, Austrália e Índia.


Em volume de encomendas, a China é a número 1 nessa lista, com 83,4 bilhões de pacotes enviados em 2020, seguida pelos Estados Unidos, com 20,2 bilhões, e Japão, com 9,1 bilhões.


Já em dinheiro, Estados Unidos são o primeiro colocado, com faturamento de 171,4 bilhões de dólares. A China fica em segundo lugar, com 127 bilhões, e o Japão, em terceiro, com 33 bilhões.


O índice da Pitney Bowes mede todos os tipos de envios, comerciais e individuais, de encomendas até 31,5 quilos.


Veja mais: Tuk-tuk deixa pegada do e-commerce mais leve