• Sandra Carvalho

Falta de sono atrapalha até caminhar

Estudo da USP e do MIT mostra como isso acontece, e como corrigir.


Homem andando
Andando: o controle dos passos piora com privação de sono | Foto: cc0 Thom Milkovic /Unsplash

A falta de sono leva a culpa, há tempos, por uma série de problemas - mau humor, memória falha, atenção dispersa, pressão mais alta, só para falar de algumas consequências mais imediatas. Um novo estudo da USP e do MIT mostra que atrapalha também nossos passos.


Como andar é uma tarefa quase automática, não se considerava que pudesse ser tão afetada pela privação do sono.


Experimentos em animais em esteiras mostraram que andar é uma mais atividade reflexiva da coluna vertebral em vez de um processo cognitivo ligado ao cérebro. Bem, em humanos não é bem assim.


Testes feitos durante a pesquisa da USP e do #MIT com alunos voluntários em esteiras mostraram que a falta de sono afeta diretamente o controle sobre como caminhamos.


Quanto menos os voluntários dormiam, menos controle tinham ao andar na esteira. Entre os que passavam a noite inteira sem dormir, o controle desabava.


"O conceito de marcha como um processo apenas automático não conta uma história completa", notou Hermano Krebs, do MIT, um dos autores do estudo.


O experimento mostrou também que os alunos que compensavam a falta de sono dos dias úteis dormindo horas extras no fim de semana melhoravam seu controle ao caminhar. "Compensar o sono pode ser uma estratégia importante", comentou Krebs.


Para quem trabalha em turnos, compensar regularmente a falta de sono crônica pode ser uma saída, de acordo com a pesquisa.


O estudo foi publicado em Scientific Reports. O autor principal autor é Arturo Forner-Cordero, do Departamento de Mecatrônica e Sistemas Mecânicos da Poli, USP.


Veja mais: 12 regras de ouro contra insônia