• Agência Fapesp

Filme brasileiro protege alimentos de coronavírus

O filme elimina 99,99% das partículas do vírus em até 15 minutos, segundo testes da USP.


PVC protetor: em 15 minutos, as partículas do novo coronavírus são desativadas | Foto: Alpes

Um filme plástico de PVC transparente e esticável para embalagem de alimentos, como carnes, frutas e frios, e para proteção de superfícies é capaz de inativar o novo coronavírus.


Comercializado pela indústria de plásticos Alpes, o material possui micropartículas de prata e sílica em sua composição, tecnologia desenvolvida e licenciada pela empresa paulista Nanox, apoiada pelo Programa Fapesp Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE).


Em testes conduzidos no laboratório de biossegurança de nível 3 (NB3) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), o material mostrou ser capaz de eliminar 79,9% de partículas do SARS-CoV-2 em três minutos e 99,99% em até 15 minutos.


“A eliminação do vírus pelo material foi extremamente eficaz e em um curto tempo. É uma aplicação bem diferenciada dos mais de 40 produtos com ação contra o novo coronavírus que já testamos desde o começo da pandemia”, avalia Lucio Freitas Junior, pesquisador do ICB-USP.


Para testar a ação virucida do filme plástico contra o novo coronavírus foram realizados ensaios seguindo a ISO 21702:2019 – norma técnica de medição da atividade antiviral em plásticos e outras superfícies não porosas, que estabelece que o material tem que demonstrar essa ação em até quatro horas.


Redução do vírus nos testes


As amostras do material com e sem micropartículas de prata e sílica incorporadas na estrutura foram mantidas em contato direto com o SARS-CoV-2 em intervalos de tempo diferentes.


Após os períodos estipulados, os coronavírus presentes nas amostras do material foram recolhidos e colocados em contato com células Vero – linhagem de células comumente utilizadas em culturas microbiológicas, sintetizadas a partir de células isoladas dos rins de uma espécie de macaco – para avaliar a capacidade de infecção e multiplicação após a exposição ao filme plástico.


Os resultados das análises por quantificação do material genético viral por PCR indicaram uma redução de quase 100% das cópias do SARS-CoV-2 que entraram em contato com amostras do filme plástico com as micropartículas de prata e sílica incorporadas após 15 minutos de exposição ao material.


“Levando em conta que o filme é utilizado para embalar alimentos que ficam expostos e são muito manipulados em supermercados, 15 minutos para eliminar totalmente o novo coronavírus na superfície do material é um tempo bastante satisfatório”, avalia Luiz Gustavo Pagotto Simões, diretor da Nanox. Aplicação em plásticos


O filme adesivo é o terceiro material plástico com micropartículas de prata e sílica comercializado pela Nanox para proteger contra a Covid-19 a chegar ao mercado.


Em parceria com a fabricante de brinquedos Elka, a empresa paulista desenvolveu uma máscara reutilizável, feita com um plástico flexível (termoplástico) e o aditivo aplicado na superfície, que promete conferir maior proteção contra o novo coronavírus.


Em setembro, a indústria Promaflex lançou um filme plástico adesivo com o aditivo para proteção de superfícies, que demonstrou ser capaz de eliminar 99,84% de partículas do SARS-CoV-2 após dois minutos de contato.


Uma das principais diferenças do filme plástico para esses dois outros produtos é a concentração de micropartículas de prata e sílica na composição. Como o material é usado como embalagem de alimentos, a quantidade do aditivo adicionado é menor.


“Como as micropartículas de prata têm registro do FDA [agência regulamentadora de alimentos e fármacos dos Estados Unidos] e integram uma lista positiva da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária], há um limite máximo do aditivo que pode ser adicionado em materiais usados como embalagens de alimentos para impedir a migração da prata. Por isso, a concentração do aditivo nesse tipo de material plástico tem que ser um pouco menor”, explica Simões.


Outras aplicações de prata e sílica


Por meio de melhorias no processo de produção das micropartículas cerâmicas com prata feitas pela Nanox nos últimos anos foi possível melhorar a dispersão do aditivo em filmes plásticos.


A melhoria permitiu colocar uma quantidade muito menor de prata no material e aumentar a eficiência antimicrobiana do aditivo, mantendo a transparência, afirma Simões.


“Os filmes plásticos de PVC precisam ter muita transparência e se tiver uma concentração muito alta de micropartículas de prata podem ficar amarelos ou acinzentados. A tecnologia que desenvolvemos evita esse problema”, afirma Simões.


Além de produtos à base de plástico, a tecnologia provou ser eficaz na inativação do novo coronavírus em outras aplicações, como em tecidos compostos por uma mistura de fibras naturais e sintéticas.


O aditivo tem sido utilizado em roupas e tecidos fabricados por empresas como a Santista, o grupo Malwee, a Cedro Têxtil e a Delfim Tecidos, entre diversas outras, mediante contrato de licenciamento da marca Nanox.


“Também estamos obtendo boas respostas em estudos para avaliação da aplicação da solução em matérias-primas utilizadas no setor de construção civil, como MDF para pisos laminados e tintas”, diz Simões.


Novos mercados


A Alpes comercializa desde 2014 o filme plástico com as micropartículas de prata para embalagem de alimentos em supermercados e para uso doméstico, com o intuito de conferir proteção contra fungos e bactérias.


Com a pandemia de COVID-19, a empresa buscou avaliar se o material também seria capaz de eliminar o SARS-CoV-2.


“Os filmes plásticos são vistos como commodity e a decisão de compra pelo consumidor na maioria das vezes é baseada no preço. Com a aplicação do aditivo da Nanox quisemos conferir um diferencial ao produto e um benefício extra para o consumidor”, diz Alessandra Zambaldi, diretora de comércio exterior e marketing da Alpes.


Uma das três maiores fabricantes de filmes plásticos de PVC do país, a empresa produz hoje 450 toneladas por mês do material e está planejando aumentar em 20% sua capacidade produtiva até o final do primeiro semestre de 2021.


Com a pandemia de Covid-19, a empresa identificou novos mercados para aplicação do produto, como proteção de superfícies, como de máquinas de cartões de débito e crédito, maçanetas, corrimãos, teclados de computadores e telas sensíveis ao toque.


O produto também é utilizado para recobrir a pele após a realização de tatuagens e procedimentos estéticos.


“Ao identificarmos o uso do filme plástico para essa finalidade, fizemos testes para garantir que é hipoalergênico”, conta Zambaldi.


☛ Este texto, de Elton Alisson, foi originalmente publicado pela Agência Fapesp de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.


Veja mais: 2,2 milhões já pegaram Covid na cidade de São Paulo