• Sandra Carvalho

Flagrantes de Inhotim, um paraíso ameaçado

O museu corre o risco de fechar por falta de fundos, segundo a consultoria Ernest & Young.


O paisagismo em Inhotim: deslumbrante | Foto: cc0 Sandra Carvalho

Inhotim, que se esconde em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, pode entrar em qualquer lista dos melhores museus do mundo e se sair bem.


Seu acervo de arte contemporânea é espetacularmente exposto ao ar livre em obras de escala monumental e em edifícios com design único, perfeitamente casados com um paisagismo exuberante e original.


A coleção de arte impressiona, com artistas brasileiros e internacionais, mas não é só ela que atrai. Inhotim é também um jardim botânico, com um acervo de aproximadamente 5000 espécies de plantas. Fica na área da Mata Atlântica, e mostra fragmentos da mata aqui e ali. O conjunto é imperdível. Confira:


Fotos: cc0 Sandra Carvalho

____________


A manutenção dos dois acervos, que se espalham por 140 hectares, é impecável. Cerca de 600 funcionários cuidam disso. Os visitantes podem circular pela área a pé ou em carrinhos elétricos que passam a toda hora.


Cerca de 3 milhões de pessoas foram ao museu em seus 14 anos de vida.


Apesar disso tudo, Inhotim está num aperto financeiro complicado, segundo o Estadão. A Ernest & Young, que audita as suas contas, apontou o risco de o museu fechar, por falta de fundos, de acordo com o jornal.


A avaliação da Ernest Young, conforme resumida pelo Estadão, se refere à performance financeira até o fim de 2018, e ainda não incorporou os estragos da tragédia do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. O desastre matou 250 pessoas na cidade em janeiro deste ano.


O mar de lama não atingiu o museu fisicamente, mas afugentou o público, que ficou com a percepção que poderia correr risco se fosse a Inhotim. Um surto de febre amarela em Minas na virada do ano já tinha afetado o movimento.


Resultado: a bilheteria diminuiu e os patrocinadores do museu ficam desestimulados com um público menor, complicando a situação. A direção do museu nega que haja risco de fechamento.


Inhotim foi criado por Bernardo de Mello Paz, empresário da área de mineração e siderurgia, com um talento excepcional tanto para montar coleções de arte quanto para se meter em confusões com o fisco.


Ele foi condenado em 2017 a 9 anos de prisão por lavagem de dinheiro, com uma dívida de impostos de 471 milhões de reais. Acabou acertando a troca de obras de Inhotim pela dívida.


#Arte #Botânica #MG #Museus