• Sandra Carvalho

Fotos do Instagram revelam depressão em cores e filtros

Computadores detectam depressão com mais acerto do que clínicos gerais.


Fotos: matéria-prima para os algoritmos da depressão | Foto: cc0 Pixabay

Depressão não é fácil de diagnosticar, certo? Mas computadores podem ajudar nisso, examinando fotos do Instagram. Com aprendizado de máquina, ele detectam depressão com 70% de acerto.


É bem mais que a taxa de sucesso dos clínicos gerais, de 42%, cara-a-cara com as pessoas.

Os dados fazem parte de um estudo de cientistas das universidades de Vermont e Harvard, publicado hoje no jornal EPJ Data Science.


Eles desceram a detalhes que chegam até aos filtros mais usados por pessoas deprimidas e por quem está bem.


"Este algoritmo é capaz às vezes de detectar depressão antes mesmo de um diagnóstico clínico", afirma um dos autores do estudo, o matemático Chris Danforth, professor da Universidade de Vermont (UVM) , num comunicado da UVM.


"Imagine que você vá a um médico e aperte um botão para deixar um algoritmo ler sua história nas mídias sociais como parte do exame", conjecturou Danforth.


Danforth trabalhou com o psicólogo Andrew Reese, de Harvard, na pesquisa. Os dois recrutaram 166 pessoas através do mercado de crowdsourcing online Amazon Mechanical Turk.


Com os recrutados, vieram as respectivas 43.950 fotos e seu histórico médico.

Propositalmente, metade dos participantes tinha passado por depressão nos últimos três anos.


Danforth e Reese analisaram preferências por luminosidade, color e nuances nas fotografias. "A análise dos pixels das fotos revelou que indivíduos deprimidos tendiam a postar fotos que eram mais azuis, mais escuras e mais cinzas que as postadas por pessoas saudáveis", escreveu Andrew Reese num blog.


Filtro de quem está bem à esquerda; filtro preferido de quem tem depressão, à direita | Imagens: Chris Danforth

Pessoas deprimidas, notou o estudo, tendem a usar o filtro Inkwell, que torna as fotos preto e branco. As que estão bem, ao contrário, tendem a usar filtros como o Valencia, que torna as imagens mais quentes e claras.


Uma das características da depressão é evitar ou reduzir contatos sociais com outras pessoas. Um algoritmo de detecção de faces contou o número de rostos nas fotos de pessoas deprimidias e registrou que elas postavam fotos com menos rostos.


Danforth e Reese não testaram selfies tristes.


#Depressão #Harvard #Instagram #IA #Psicologia #RedesSociais #UVM