• Sandra Carvalho

Games deixam as crianças mais espertas?

É o que diz um pesquisador da Universidade da Indiana, John Velez.


Criança no computador
Criança e jogos: consequências positivas | Foto: cc0 Alex Haney/Unsplash

Em vez de ser uma força do mal, os videogames podem fazer muito bem às crianças, desenvolvendo habilidades bem úteis na vida real. É a tese do pesquisador John Velez, da Universidade de Indiana, especializado em Ciência da Comunicação.


Segundo Velez, crianças que jogam Fortnite ou Rocket League têm maior acuidade visual, sendo capazes de rastrear vários objetos em movimento ao mesmo tempo. Elas conseguiriam até enxergar coisas na neblina ou na chuva que outras pessoas são simplesmente incapazes de ver.


Velez defendeu seu ponto de vista num artigo do site The Conversation. Suas razões, em resumo:


1 . Games ajudam os players a desenvolver suas habilidades, exercitando o cérebro com desafios, podendo até fazer o cérebro crescer.


(O aumento da matéria cinza do lado direito do hipocampo e córtex pré-frontal e do cerebelo bilateralmente em players de Super Mario foi demonstrado por cientistas alemães do Instituto Max Planck e da Universidade de Medicina Charité de Berlim).


Segundo Velez, essa seria uma das razões pelas quais players são melhores cirurgiões.


2 . Games estimulam de maneira divertida a solução de problemas e a busca de opções diferentes, em vez de privilegiar sempre a mesma estratégia.


O professor James Paul Gee, da Universidade Estadual do Arizona (ASU), citado por Velez, diz que jogos usam 13 bons princípios de aprendizado que mantêm as pessoas engajadas em aprender e descobrir soluções ao longo do tempo.


3 . Os jogos ensinam os players a serem persistentes e a nunca desistir, mostrando na prática que o trabalho duro pode levar às metas almejadas.


"Jogar videogames pode ensinar você habilidades críticas para pensar que, combinadas com trabalho duro, trazem muito sucesso", Velez afirmou.


4. Games ajudam também no campo da amizade, tanto facilitando fazer novos amigos quanto se divertir com velhos companheiros. Mais: ainda estimulam a ajudar os outros e a compartilhar, o que fortalece as amizades.


Velez alerta os players que a vida real tende a ser mais desafiadora do que os games - mas, assim como os jogos com o setting mais difícil, afirma, a vida também é mais compensadora.


Veja mais: Vício em videogame existe de verdade?


#UniversidadedeIndiana #InstitutoMaxPlanck #Charité #ASU