• Sandra Carvalho

22 de agosto, Dia da Sobrecarga da Terra

Já esgotamos os recursos biológicos que o planeta poderia repor em 2020.


Cidade na forma da Terra
Consumo excessivo: uma só Terra não dá | Imagem: cc0 Louis Reed HZP/Unsplash

O Dia de Sobrecarga da Terra é uma data móvel: acontece cada ano no dia em que a humanidade acaba de consumir os últimos recursos biológicos que poderiam se recuperar no ano e entra no negativo. Atualmente, usamos 60% a mais do que pode ser reposto.


Em 2020, o dia 22 de agosto marca esse esgotamento de recursos, três semanas depois do Dia de Sobrecarga da Terra do ano passado.


O planeta ganhou um pouco mais de fôlego com uma tragédia - a pandemia de Covid-19, que levou à queda de 14,5% da pegada de carbono e à redução de 8,4% do consumo de produtos de origem florestal.


Os cálculos são da Global Footprint Network, que faz esse levantamento desde 1970.


Gráfico do Dia de Sobrecarga da Terra

Há um desequilíbrio generalizado no consumo dos recursos biológicos do planeta entre os países. Os mais ricos são consumidores vorazes e deixam uma pegada ecológica gigante. Os países mais pobres, com seu consumo modesto e até insuficiente, não.


Cingapura, uma ilha riquíssima com recursos naturais paupérrimos, é o país com o maior déficit ecológico do mundo - sua pegada excede em 9.950% sua biocapacidade.


O Brasil fica no ranking do bem, em 12º lugar entre os países que estão no azul nessa conta. Nossa biocapacidade é 209% superior à nossa pegada - afinal grande parte da Amazônia fica em território brasileiro.


Mas se o mundo todo fosse consumir como o Brasil, sem ter nossas reservas naturais, a humanidade estaria em dívida com a Terra, pois consumiria mais do que seria sustentável. Confira no gráfico:


Gráfico de consumo excesso

Veja mais: Com uma Terra só, não dá para consumir tanto assim


#GlobalFootprintNetwork #PegadaEcológica #Terra