• Sandra Carvalho

Humano moderno chegou a Portugal 40 mil anos atrás

A data é sugerida por ferramentas descobertas na caverna portuguesa Lapa do Picadeiro.


Picadeiro: escavação das camadas dos humanos modernos na frente e dos neandertais atrás | Foto: Jonathan Haws/Universidade de Louisville

Humanos modernos chegaram ao extremo oeste da Europa entre 41.000 e 38.000 anos atrás, 5.000 anos antes do que se pensava, pelo que indicam ferramentas de pedra encontradas na caverna Lapa do Picadeiro, no centro de Portugal, perto da costa atlântica.


A tese é de um time internacional de cientistas e foi publicada no jornal PNAS, jogando fogo na discussão sobre as relações entre humanos modernos e neandertais na Europa.


A nova data coloca os humanos modernos no que é hoje Portugal mais próximos dos neandertais. Na caverna Lapa do Picadeiro, os indícios da última ocupação neandertal ficam entre 45.000 e 42.000 anos atrás. Ali perto, na caverna Oliveira, já há evidências de sobrevivência de neandertais até 37.000 anos atrás.


"A questão se os últimos neandertais na Europa foram substituídos ou assimilados pelos humanos modernos que chegavam é um assunto não resolvido da paleoantropologia", afirmou Lukas Friedl, antropólogo da Universidade da Boêmia Ocidental e um dos líderes da pesquisa.


"As datas mais antigas do Período Aurignaciano das ferramentas de pedra em Picadeiro provavelmente eliminam a possibilidade de os humanos modernos terem chegado numa terra deserta de neandertais há muito tempo", completou.


Vista aérea da caverna do Picadeiro, na região central portuguesa | Foto: Jonathan Haws/Universidade de Louisville

As ferramentas encontradas na caverna Lapa do Picadeiro são semelhantes às achadas na Eurásia e na Rússia.


Segundo os pesquisadores, isso sugere que houve uma dispersão rápida dos humanos modernos para oeste da Europa, através da Eurásia, alguns milhares de anos depois que os primeiros humanos modernos chegaram no sudeste europeu.


Os achados da caverna portuguesa foram datados por radiocarbono com espectometria de massa com aceleradores (AMS, na sigla em inglês), um método considerado bastante preciso.


Os ossos examinados tinham evidências de quebra intencional para extração de medula óssea, alimento muito valorizado pelos humanos modernos.


A caverna do Picadeiro está sendo escavada há 25 anos pelo Centro Interdisciplinar de Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano (ICArEHB), de Faro, Portugal. O foco é a chegada dos humanos modernos e a extinção dos neandertais naquela área.


"Se os dois grupos se sobrepuseram durante algum tempo nas terras altas do Portugal Atlântico, podem ter mantido contatos e trocado tecnologia, ferramentas e parceiros", observou Nino Bicho, diretor do ICArEHB. "Isso poderia explicar porque muitos europeus têm genes de neandertal."


Ferramentas descobertas na caverna Lapa do Picadeiro | Foto: Jonathan Haws/Universidade de Louisville

Apesar da proximidade das datas, não há qualquer evidência de contato direto entre humanos modernos e neandertais na região.


Os fósseis indicam que os neandertais continuaram a usar sua própria tecnologia depois da chegada dos humanos modernos à Europa com ferramentas completamente diferentes.


As ferramentas mais antigas, de 41 mil anos atrás, são feitas de quartzito e matérias-primas de quartzo, com a tecnologia Levallois, típica dos neandertais. As ferramentas do Período Aurignaciano já são de sílex, com lâminas muito pequenas provavelmente usadas em flechas para caça.


"Venho escavando Picadeiro há 25 anos e, quando você começa a pensar que já revelou todos os seus segredos, uma nova surpresa é desenterrada", contou Jonathan Haws, professor de antropologia da Universidade de Louisville (UofL), um dos líderes do projeto. "A cada poucos anos, algo notável acontece e continuamos cavando."


Veja mais: Nem todo viking era um lourão escandinavo


#Paleontologia #Portugal #EvoluçãoHumana #Antropologia