• Sandra Carvalho

Inteligência artificial revela rastros de drogas no Twitter

Opioides são vendidos com palavras-chave conhecidas em 1% dos posts.


Detetive digital: atrás dos opióides | Imagem: cc0 Pixabay

Codeína, fentanil, Oxycontin, Percocet, Vicodin. As drogas farmacêuticas com opioides fazem parte dos mercados clandestinos tanto quanto a cocaína ou a heroína.


Um grupo de cientistas da Universidade da Califórnia (UC) em San Diego rastreou esse comércio ilegal de drogas com opioides no Twitter. Encontrou 1.778 posts acenando com a venda dos remédios. Noventa por cento tinha links para sites que efetivavam a venda.


O estudo foi divulgado ontem pelo serviço de notícias da universidade e publicado no dia 19 no American Journal of Public Health.


Os cientistas fizeram mineração de dados no Twitter e acharam 619 mil tuítes com palavras-chave ligadas a opioides. A partir delas, o projeto deslanchou.


Eles usaram computação em nuvem para processar quantidades massivas de tuítes que tivessem as palavras-chave, em primeiro lugar.


Em seguida, recorreram a aprendizado de máquina para isolar os tuítes que faziam o marketing da venda das drogas opioides.


Fechando o ciclo, fizeram análises forenses pela web dos posts com links para sites de vendas.


Opioides


Durante os cinco meses do estudo, de maio a novembro de 2015, eles constataram que menos de 1% dos tuítes (1.778) com palavras-chave ligadas a opioide faziam o marketing da venda ilegal desses remédios.


Das centenas de endereços de venda encontradas nos posts de marketing , havia apenas 46 links ativos 8 meses depois - esse é um mercado que se move rapidamente.


Segundo a pesquisa, a maioria do sites de venda de drogas com opioides tinha endereços fora dos Estados Unidos, muitos no Paquistão.


De acordo com Tim Mackey, da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego, o país foi identificado recentemente como fonte e exportador de medicamentos falsificados, contrabandeados ou simplesmente fake.


#Drogas #IA #Opioides #RedesSociais #Remédios #Twitter #UCSD