• Sandra Carvalho

Italiano, brasileiro e coreano têm algo comum: o mesmo coronavírus

Estudo de Cambridge mostra como três tipos do vírus se espalharam pelo mundo.


O SARS-CoV-2 colorizado (amarelo) infecta uma célula (verde) | Foto: cc NIAID/Flickr

Cientistas da Universidade de Cambridge mapearam a propagação inicial do novo coronavírus a partir de Wuhan, na China, e identificaram 3 tipos de coronavírus de linhagens bem próximas: A, B e C.


O tipo do vírus humano mais próximo daquele descoberto em morcegos é o A, considerado pelos pesquisadores de Cambridge o vírus humano original pelas características de seu genoma. Ele foi encontrado em Wuhan, mas não era preponderante por lá.


Versões com mutações do A foram encontradas em americanos que moraram em Wuhan e outros doentes nos Estados Unidos e na Austrália.


Em Wuhan, o tipo mais de coronavírus mais comum foi o B, dominante no Leste da Ásia. O B derivou do A e não foi muito além da região sem novas mutações.


O tipo C, derivado do B, é o predominante na Europa, e foi encontrado em pacientes da Itália, França, Suécia, Inglaterra, Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul e Brasil. Na amostra dos 160 genomas examinados não havia coronavírus tipo C na China continental.


Para traçar a rota do coronavírus, a pesquisa usou técnicas conhecidas pelo mapeamento das populações humanas pré-históricas através de DNA. A pesquisa foi publicada no jornal PNAS.


O geneticista alemão Peter Forster, principal autor do estudo, acha que esse tipo de análise filogenética pode ser usada para identificar fontes de Covid-19 não documentadas. Objetivo: providenciar quarentenas para as áreas atingidas e conter a propagação da doença.



Veja mais: Coronavírus: no Brasil, muita live e pouco teste


#Brasil #China #Coronavírus #DNA #Epidemias #Genética #Morcegos #UniversidadedeCambridge