• Sandra Carvalho

Já fizemos estragos em 80% do que resta da Mata Atlântica

A perda equivale ao desmatamento de área de 10 milhões de campos de futebol.


Mata Atlântica
Mata Atlântica: fragmentada e degradada | Foto: Renato de Lima/USP

A Mata Atlântica já cobriu 15% das terras no Brasil, mas hoje resta menos de um quinto da floresta de pé. E ainda assim, fragmentada e degradada. A ação humana já fez estragos na biodiversidade e na biomassa de 80% da mata remanescente.


É isso o que aponta um estudo de cientistas brasileiros e europeus sobre a erosão da Mata Atlântica. De acordo com os pesquisadores, a perda equivale ao desmatamento de até 70 mil quilômetros quadrados de floresta - quase 10 milhões de campos de futebol.


“Quanto menor o fragmento de floresta e maior a área de borda, mais fácil é para a pessoas acessarem esses remanescentes e causarem impacto”, observou Renato de Lima, do Instituto de Biociências da USP, que liderou o estudo, à Agência Fapesp.


No passado, a Mata Atlântica chegou a se estender por 1,63 milhão de quilômetros quadrados, principalmente no Brasil (92%), mas também no Paraguai (6%) e na Argentina (2%).


Depois de mais de 500 anos de agressão, dizem os cientistas, sobraram fragmentos de floresta pequenos, alterados e isolados. Cerca de 148 milhões de pessoas vivem hoje nos limites da Mata Atlântica na América do Sul - a ameaça de ações humanas predatórias está sempre por perto.


O pior do desflorestamento aconteceu no século 20, e nas últimas duas décadas o desmatamento diminuiu. Resta agora restaurar a mata. Os créditos de carbono podem dar uma mão.


“Florestas degradadas podem ser vistas não como um ônus, mas como uma oportunidade para atrair investimentos, gerar empregos e, ao mesmo tempo, conservar o que ainda resta da Mata Atlântica”, comentou Paulo Inácio Prado, professor do Instituto de Biociência, outro autor do estudo.


O estudo foi publicado na Nature Communications.


Veja mais: Documentado: o declínio dos mamíferos nos neotrópicos