• Sandra Carvalho

Maryam Mirzakhani, única mulher a ganhar a Medalha Fields (1977-2017)

Ela morreu precocemente, aos 40 anos de idade, de câncer.


Maryam: considerada um gênio | Foto: Stanford News Service

A matemática iraniana Maryam Mirzakhani, a única mulher a ganhar a Medalha Fields, morreu hoje no dia 15 de julho, de câncer, aos 40 anos de idade.


A Medalha Fields existe desde 1936 e é uma espécie de Nobel da matemática.


Maryam nasceu e estudou em Teerã. Fez a Universidade Sharif, na cidade, e seguiu para Harvard, nos Estados Unidos, para seu doutorado. Ao chegar, fazia perguntas em inglês e anotações em parse.


Considerada um gênio na academia, Maryam era professora da Universidade de Stanford. Tinha fascinação por descrever a geometria das superfícies curvas em grande detalhe, segundo texto publicado hoje pela universidade.


Seu trabalho, altamente teórico, impactava especialmente o estudo dos números primos e a criptografia.


O presidente iraniano Hassan Rouhani a elogiava publicamente, apesar de ela ter escolhido morar nos Estados Unidos, não usar hijab e casar fora da religião, com um matemático tcheco que também dá aulas em Stanford, Jan Vondrák. Rouhani chegou a publicar uma foto dela sem véu no Twitter.


Maryam se dedicava às questões mais difíceis, trabalhando em grandes folhas de papel branco e escrevendo fórmulas ao lado de desenhos. "Você tem de investir alguma energia e esforço para ver a beleza da matemática", disse uma vez, de acordo com o texto de Stanford.


Em outra ocasião, descreveu seu trabalho como estar perdida numa selva e tentar usar todo o conhecimento para descobrir novos truques e, com sorte, achar uma saída.


Nos últimos anos, fez dupla com Alex Eskin, da Universidade de Chicago, para estudar a trajetória da bola de bilhar numa mesa poligonal, uma questão que intriga os cientistas há um século.


Maryam se tratava de um câncer no seio havia quatro anos.


#Câncer #Cientistas #Matemática #Stanford #Vidas