• Sandra Carvalho

Mistério do submarino: um torso destroçado no mar

O inventor Peter Madsen agora é acusado de assassinato pelos promotores dinamarqueses.


Peter Madsen: inventor acusado de assassinato | Foto: cc JOI/Wikimedia Commons

O mistério do submarino UC3 Nautilus, do inventor dinamarquês Peter Madsen, se se aproxima cada vez mais de uma estória de assassinato com tons grotescos. É o crime de maior repercussão na Dinamarca nos últimos anos.


Um torso foi achado por um ciclista na segunda-feira, no mar de uma ilha próxima de Copenhague.


O DNA do corpo desmembrado bateu com o de Kim Wall, a jornalista sueca vista pela última vez com vida no dia 10 de agosto, no submarino de Peter Madsen, em Copenhague.


DNA de sangue encontrado dentro do submarino também foi identificado com o de Kim Wall.


Os promotores agora acusam Madsen de assassinato, e não de homicídio involuntário, como fizeram inicialmente. Ele continua preso.


Na sua primeira versão do mistério, Madsen declarou à polícia que tinha trazido Kim de volta à terra no mesmo dia 10 de agosto em que ela entrara no submarino para entrevistá-lo.


Depois, afirmou que ela morrera dentro do submarino, num acidente, e que enterrara seu corpo no mar.


O submarino naufragou depois, no que a polícia acredita que tenha sido um afundamento proposital, para esconder provas do crime.


O torso encontrado no mar parece ter sido desmembrado propositalmente, segundo a CNN.

Kim Wall era uma jornalista respeitada, que atuava como free-lancer, com trabalhos feitos para a revista Time, New York Times e The Guardian.


Acabara de se mudar para a China, para cobrir o país, depois de morar alguns anos em Nova York. Ela tinha ido à Dinamarca apenas para entrevistar Madsen.


Peter Madsen é uma personalidade conhecida na Dinamarca, pelo que faz como inventor. Entre as pessoas que o conhecem de perto, é tido como temperamental, alguém que se dá bem apenas com uma pessoa: ele mesmo.


"Ele vive bravo com Deus e o mundo", disse o jornalista dinamarquês Jyllands-Posten, que escreveu uma biografia sobre ele, segundo a France 24.


"Minha paixão é encontrar maneiras de viajar para mundos além dos conhecidos", afirmou o próprio Madsen, num de seus sites. Ele trabalhava tanto com submarinos quanto foguetes espaciais.


#Assassinatos #Crimes #Dinamarca #Inventores #Jornalismo