• Sandra Carvalho

O caixa-eletrônico já está a caminho da extinção?

Com mais de 50 anos de uso, os ATMs encolhem de importância junto com o dinheiro vivo.


ATM no Texas: futuro incerto | Foto: cc0 Jake Allen/Unsplash

Os caixas eletrônicos parecem destinados a seguir o caminho das cabines telefônicas, rumo ao desaparecimento.


O número de ATMs já está diminuindo em muitos países, à medida que as pessoas usam menos dinheiro vivo e optam mais pelas operações digitais pelo celular.


As estatísticas do Banco Mundial mostram o número de caixas eletrônicos caindo em vários países de economia mais avançada, como Japão, Coreia do Sul, Reino Unido, França, Austrália, Estônia e Noruega.


Não se trata de um fim iminente, é claro - mesmo na era do bitcoin o declínio das ATMs pode se arrastar por décadas, mesmo porque os países mais pobres ainda dependem muito do dinheiro físico.


No Brasil, o auge das ATMs já ficou para trás em 2013, quando os caixas eletrônicos chegaram a 118 a cada 100 mil adultos. Hoje o número baixou para 102, e já há previsões que desça a 99 já em 2025.



Veja mais: Coreia do Sul é a número 1 em inovação; Brasil é o 46º