• Sandra Carvalho

O caminho do seu bife do pasto ao prato

Um app rastreia as origens da carne vendida no Brasil, combatendo o desmatamento.


Filé na frigideira
Filé: origens decifradas | Foto: cc0 Nanxi Wei

Já dá para rastrear facilmente as origens do bife que você põe na mesa no Brasil, e comer com menos remorso por não ser vegano.


Com um app, você checa a origem da carne e descobre se ela tem alguma coisa a ver com desmatamento de florestas, queimadas ou mesmo trabalho semelhante a escravo.


O app, chamado Do Pasto ao Prato, é da organização internacional Trase, que faz uso intensivo de dados a favor do comércio sustentável, com ajuda da Universidade Católica de Louvain (#UCLouvain), da Bélgica, e da ONG Repórter Brasil.


A versão Android, ainda em versão beta, já está disponível.


Por enquanto, o app rastreia a origem da carne de vaca, mas vai também traçar o caminho dos frangos e porcos até a mesa dos consumidores.


É muito simples de usar - basta ter o número do SIF (Selo de Inspeção Federal) ou do SIE (Selo de Inspeção Estadual) ou ainda o CNPJ da fornecedora da carne, normalmente impressos nas embalagens de carne.


Veja os passos do rastreamento feito hoje de contrafilé da marca Swift, que levou à JBS de Andradina e uma avaliação geral de regular.


O app associou o produto a 241 hectares de desmatamento, dissociou-o completamente de trabalho escravo e apontou condições sanitárias piores que a dos outros frigoríficos.


De onde veio essa avaliação sanitária negativa? De 33 multas aplicadas por má higiene ou desrespeito ao bem-estar animal entre 2016 e 2019, segundo informações que o app buscou no Ministério da Agricultura.


App do Pasto ao Prato

Veja mais: Hambúrguer vegetal: nem tudo é o que parece