• Sandra Carvalho

O futuro dos asnos está ameaçado por uma gelatina

Estamos falando dos animais, é claro. Precisamente, do Equus africanus asinus.


Asnos à espera do fim num matadouro do Quênia | Foto: The Donkey Sanctuary

Burro, jegue, jumento, jerico... O asno, Equus africanus asinus, seja como for chamado, está a perigo.


De sua pele se faz uma geleia usada na medicina tradicional chinesa há milênios, o ejiao. O problema é que a demanda por ejiao disparou no mercado internacional. Para satisfazer tanta procura, os asnos estão indo para o matadouro de uma forma que pode ameaçar sua sobrevivência.


O último relatório da organização inglesa Donkey Sanctuary alerta que as populações de asnos estão entrando em colapso em vários países.


Na China, o principal mercado do ejiao, o número de asnos diminuiu 76% desde 1992, caindo de 11 milhões para apenas 4,6 milhões de animais.


Desde 2007, aponta o relatório, as populações de asno diminuíram 28% no Brasil, 37% em Botsuana e 53% no Quirguistão.


A indústria do ejiao precisa de quase 5 milhões de peles de asnos por ano para abastecer o mercado. Nos próximos cinco anos, para atender a essa demanda, mais da metade dos anos do mundo teria de ser abatida.


O ejiao é um gel dissolvido em água quente ou álcool para ser bebido ou colocado na comida. Também é usado em cosméticos. Segundo a imaginação popular, ele melhora a circulação do sangue, funciona como um tônico para quem tem anemia e até ajuda em problemas de reprodução.


#AnimaisMaltratados #China