• Sandra Carvalho

O Saara já foi o lugar mais perigoso da Terra?

É o que sugerem cientistas americanos, marroquinos e europeus.


Kem Kem
Região de Kem Kem, no Marrocos, hoje | Foto: cc Nizar Ibrahim et al

Olhando a paisagem desértica do Saara na região de Kem Kem, no #Marrocos, fica difícil imaginar que 100 milhões de anos atrás esse era um lugar de vida exuberante e perigosa, com água abundante e dinossauros ferozes, répteis voadores e peixes gigantescos.


Mas é exatamente isso que um estudo de pesquisadores americanos, marroquinos e europeus sugere, a partir do exame das rochas e dos fósseis da região.


A região de Kem Kem é bem conhecida de geólogos e paleontólogos, com seus fósseis espalhados por museus de todo mundo.


A pesquisa é ambiciosa: pretende ser uma janela para a África da era dos dinossauros. Foi publicada no jornal ZooKeys, com foco no período cretáceo superior.


"Pode-se argumentar que esse era o lugar mais perigoso da história do planeta Terra, um lugar onde humanos viajando através do tempo não viveriam muito", observa um dos autores, Nizar Ibrahim, das universidades de Detroit Mercy (#UDMercy) e Portsmouth (#UniversidadedePortsmouth).


Os fósseis da região indicam que ali viveram alguns dos maiores dinossauros conhecidos, como o carcarodontossauro, de mais de oito metros de comprimento e mandíbulas aterrorizadoras.


Segundo o estudo, os grandes predatores podiam contar com um abastecimento generoso de peixes enormes, como celacantos provavelmente quatro ou cinco vezes maiores que os atuais e até tubarões de água doce. ✔︎


Veja mais: Os nevoeiros diminuem e já fazem falta