• Sandra Carvalho

Onde vivem as crianças mais contaminadas por chumbo

A Nigéria abre a fila dessa tragédia humana e ambiental, com 43 milhões de vítimas.


Criança passa por fogueira tóxica na cidade de Yenagoa, na Nigéria | Foto: Unicef/Tanya Bindra

O chumbo é tão tóxico que mata mais que Aids, malária, desastres naturais ou terrorismo todos os anos. São 900 mil mortes a cada 12 meses. Mas a tragédia maior acontece com o cérebro de crianças e adolescentes, pois mina sua inteligência para sempre.


Uma em cada três crianças no mundo, cerca de 815 milhões, estão contaminadas por chumbo atualmente, segundo os dados do IHME, o centro de métricas da Universidade de Washington (UW).


Isso significa que elas têm no sangue mais de 5 microgramas de chumbo por decilitro (μg/dL), níveis associados a diminuição de inteligência, dificuldades de aprendizado e problemas de comportamento.


Em crianças e adultos, o chumbo é distribuído pelo corpo através do sangue, prejudicando principalmente o sistema nervoso central, coração, rins e fígado. Afeta também o sistema reprodutivo, ameaçando a saúde do feto.


Onde os problemas do chumbo são mais dramáticos | Mapa: Unicef/Pure Earth

Segundo o relatório "A Verdade Tóxica", sobre chumbo, da Unicef e da organização Pure Earth, em crianças o impacto é muito maior, porque elas absorvem de quatro a cinco vezes mais chumbo do que adultos.


Os danos neurológicos acontecem mais com elas porque o chumbo interfere justamente quando o cérebro ainda está se desenvolvendo, e se desenvolvendo rapidamente.


Crianças mais pobres, em países mais pobres, são as mais expostas à contaminação. Na Nigéria, são 43,2 milhões de crianças e adolescentes contaminados. A situação é pior na África e na Ásia.


O Brasil está muito longe de ser um dos piores países do mundo nesse ranking. Há 34 casos mais graves que o nosso, mas ainda ainda assim temos 4,4 milhões de crianças e adolescentes brasileiros afetados pelo chumbo, segundo o relatório "A Verdade Tóxica".



Veja mais: Faça um favor a si mesmo: fique longe do chumbo


#Chumbo #Adolescentes #MetaisPesados #IHME #Unicef #UW