• Sandra Carvalho

Os rinocerontes-de-sumatra vão escapar da extinção?

Eles já desapareceram da Malásia, depois de tentativas desesperadas de fertilização in vitro.


Rinoceronte-de-sumatra de quatro dias e sua mãe
Rinocerontes-de-sumatra: criticamente ameaçados de extinção | Foto: International Rhino Foundation

O rinoceronte-de-sumatra, Dicerorhinus sumatrensis, o menor do mundo, hoje está mais perto que nunca de desaparecer da face da Terra.


Os dois últimos exemplares da espécie na #Malásia, seu penúltimo refúgio, morreram este ano em cativeiro. Tam, o macho, se foi em maio, já velho, talvez por problemas de fígado e rins. Iman, a fêmea, deu seu último suspiro na semana passada, devastada por um câncer.


As tentativas de fertilização in vitro (#FIV) com os óvulos recolhidos de Iman e esperma de um rinoceronte da Indonésia não deram em nada. Da mesma forma, o esperma recolhido de Tam em cativeiro tampouco resultou num embrião viável.


Agora restam os rinocerontes-de-sumatra em seu último habitat, na Indonésia. Numa avaliação de 2008, a Lista Vermelha da IUCN estimou que haveria entre 220 e 275 exemplares adultos da espécie.


Em avaliação feita este ano, a International Rhino Foundation (#IRF) calculou que os rinocerontes-de-sumatra estão reduzidos a menos de 80, divididos entre a ilha de Sumatra e a porção indonésia da ilha de Bornéu.


Na Lista Vermelha o rinoceronte-de-sumatra está na categoria dos animais criticamente ameaçados. A IRV considera a espécie a mais ameaçada entre todos os grandes mamíferos. Aproximadamente 70% desses rinocerontes desapareceram nos últimos 20 anos. ✔︎


Veja mais: No laboratório, o destino dos rinocerontes-brancos do norte