• Sandra Carvalho

Os robôs avançam no mundo (e também no Brasil)

Eles já formam um exército global de 2,7 milhões em indústrias, mais na Ásia e na Europa.



Para quem tem pesadelos com o fim do emprego com a ascensão dos robôs, um aviso: não vai dar para a relaxar tão cedo. Ou melhor, não vai dar para relaxar nunca mais. Os robôs seguem uma expansão controlada e consistente em boa parte do planeta.


Os robôs industriais chegaram a 2,7 milhões em 2019, crescendo 12%. No ano, entraram em ação mais 373 mil unidades, segundo dados da Federação Internacional de Robôs (IFR, na sigla em inglês).


O relatório World Robotics de 2020 não apresenta uma explosão de robôs, mas mas um aumento sustentado e inarredável nos últimos 11 anos. Confira:



A indústria de carros é a consumidora mais voraz dos robôs - utiliza globalmente mais de 900 mil deles. Só a indústria elétrica/eletrônica chega perto, mas não muito, com 672 mil.


A Ásia é a região do mundo mais receptiva aos robôs desde que eles surgiram. Considerando as compras asiáticas de robôs industriais em 2019 junto com as australianas (245 mil unidades), elas foram três vezes maiores que as da Europa no ano passado, e cinco vezes maiores que as das Américas.


A China deixa qualquer outro país no chinelo pela agressividade com que investe em robôs, quatro vezes mais que os Estados Unidos.


O Brasil, que já tem uma base instalada de 15.300 robôs, segundo a IFR, acrescentou mais 1.800 no ano passado. Fica bem atrás do México na América Latina, mas em em primeiro lugar na América do Sul.



A Ásia tem a maior densidade de robôs industriais do mundo - 118 para cada 10 mil trabalhadores. Na Europa, a densidade cai ligeiramente, para 114, e nas Américas baixa a 103. A África nem entra nessas contas da IFR, pelo consumo irrisório de robôs.


Em densidade, a China perde seu destaque - fica com 187 robôs para cada 10 mil trabalhadores, atrás de 15 outros países. A primazia passa para Cingapura, que chega a inacreditáveis 918 robôs a cada 10 mil trabalhadores. Veja no gráfico:



Veja mais: Os drones deixam de ser brinquedo


#Robôs