• Sandra Carvalho

Para ganhar mais no Brasil, é melhor ser homem e branco

Ajuda também um diploma universitário na mão. E morar no Sudeste. É o que mostra o IBGE.


Brasil: os homens têm mais trabalho e rendimento em todas as regiões. Foto: cc0 Sergio Souza/Unsplash

As mulheres são maioria entre os brasileiros em idade de trabalhar (52,4%) , mas não são maioria entre os que conseguem trabalho. Aí a vantagem é dos homens, que ficam com 56,8% das oportunidades. Eles também ganham mais: exatos 28,7% mais.


Os dados são da PNAD Contínua do IBGE, que analisou o mercado de trabalho no Brasil em 2019. No ano passado, o Brasil tinha 92,5 milhões de pessoas ocupadas, a maioria delas homens em todas as regiões do país.


A média nacional de rendimentos mensais em 2019 foi de 2.308 reais - os homens levaram para casa 2.555 reais por mês, e as mullheres, apenas 1.985. Confira no gráfico do IBGE:


Os trabalhadores brancos também se saíram melhor que os de cor/raça preta ou parda. As pessoas brancas tiveram uma média nacional de rendimentos mensais de 2.999 reais, mas os pardos receberam apenas 1.719 reais e os pretos, 1.673. Veja o gráfico do IBGE:



As disparidades atingem o ápice quando se olha rendimento do ponto de vista da educação. Quem tem formação superior ganha em média 5.108 reais por mês, seis vezes mais que os trabalhadores sem instrução, e três vezes do que os que têm ensino médio completo , de acordo com o IBGE.


A média mensal das pessoas sem instrução em 2019 foi de 911 reais, menos que o salário mínimo do ano, de 998 reais. Veja o gráfico do IBGE.



A desigualdade entre os brasileiros também se reflete nas diferentes regiões. Enquanto a média de rendimentos na região Sudeste chega a 2.572 reais, acima da média nacional de 2.308 reais, no Norte e no Nordeste esses números despencam.


No Norte, os rendimentos mensais médios cabem para 1.687 e no Nordeste, para 1.588 reais. A diferença entre a região mais rica, Sudeste, e a mais pobre, Nordeste, bate em 61%. Já pensou a batalha de ser mulher, negra, sem instrução e nordestina?


Veja mais: Pobreza extrema persegue 13,5 milhões de pessoas no Brasil


#Brasil #DesigualdadedeGênero #DesigualdadedeRenda #DesigualdadeRacial #Educação #Homens #IBGE #Mulheres #Nordeste #Norte #PNAD #Sudeste #Sul