• Sandra Carvalho

Phubbing: o vício de esnobar as pessoas para se fixar no celular

O efeito é destrutivo - o telefone, em vez de conectar, afasta os amigos e a família.


Juntos, mas sem conversar, só de olho no celular   | Foto: cc0 Mabel Amber/Pixabay

Num mundo com quase 5 bilhões de celulares tocando, vibrando e soltando notificações sem parar, os phubbers são a subespécie que mais se multiplica.


Phubbers: aquela subespécie de Homo sapiens que prefere esnobar as pessoas em volta para fixar a atenção no celular. (Phone + snubbing, de esnobar.) Consequência?


Phubbing, segundo os psicólogos, economistas e informatas que estudam o assunto, tem consequências destrutivas na vida pessoal: provoca conflitos sobre o uso do celular, diminui a satisfação com os relacionamentos e indiretamente se reflete numa menor satisfação com a vida.


O fato é que os celulares e as mídias sociais, talhados sob medida para conectar as pessoas, talvez estejam impedindo que eles elas se conectem.


"Ironicamente, a mesma tecnologia que foi projetada para aproximar os seres humanos fez que eles se isolassem", afirmam Meredith David e James Roberts, da Universidade Baylor, do Texas.


Nomes sintomáticos de seus estudos sobre o assunto: "Phubbed e Sozinhos" e "Minha vida se tornou uma distração importante do meu celular".


Cientistas turcos da Universidade Osmangazi Eskisehir (ESOGU), num estudo pioneiro sobre phubbing, de 2015, tinham definido o comportamento como uma soma de vícios: vício de celular, vício de SMS, vício de mídias sociais, vício de internet e vício de games.


Vício de SMS, hoje em dia, praticamente desapareceu, para dar lugar a um vício talvez mais forte, o de WhatsApp, Messenger e apps de mensagens assemelhados.


O termo phubbing nasceu em 2012, de uma campanha da agência McCann para o dicionário australiano Macquarie. Para realçar o caráter atualizado do dicionário, foi criada a palavra para refletir um comportamento contemporâneo.


[Este texto é uma versão condensada e atualizada de um artigo publicado em 16/10/2017 em Circuito D.]


#Baylor #Celulares #ESOGU #Phubbing #Psicologia #RedesSociais #Vícios